Siga-nos

Mantenha-se atualizado com as notícias mais importantes

Ao clicar no botão Inscrever-se, você confirma que leu e concorda com nossos Política de Privacidade e Termos de Uso
Área do Aluno
Laudo Utilização Gás Natural Laudo Utilização Gás Natural
F: Freepik - fahroni

IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

O Laudo de Utilização de Gás Natural atende a Instrução Técnica Nº 29 do Corpo de Bombeiros, e tem o intuito de verificar as condições de utilização de gás natural nas instalações em questão, buscando aprimorar a segurança ao evitar falhas operacionais dos equipamentos do sistema.
Nome Técnico: Elaboração do Relatório Técnico de Utilização de Gás Natural IT 29

Referência: 72240

Ministramos Cursos e Treinamentos; Realizamos Traduções e Interpretações em Idioma Técnico: Português, Inglês, Espanhol, Mandarim, Alemão, Hindi, Japonês, Árabe e outros consultar

Elaboração do Relatório Técnico de Utilização de Gás Natural – Instrução Técnica do Corpo de Bombeiros Nº 29
O Laudo de Utilização de Gás Natural atende a Instrução Técnica Nº 29 do Corpo de Bombeiros, e tem o intuito de verificar as condições de utilização de gás natural nas instalações em questão, buscando aprimorar a segurança ao evitar falhas operacionais dos equipamentos do sistema.

O que é Gás Natural?
O GN é constituído por hidrocarbonetos na faixa do metano e do etano, e tem por principal característica as propriedades combustíveis, fazendo com que este seja usado em escala por veículos à combustão que rodam altas quilometragens diariamente, denominado no caso de GNV. O sistema de abastecimento por GNV requer adaptações no motor, para seu perfeito funcionamento.

Carga horária: Pré-Requisitos: Alfabetização OU Nível Técnico

Escopo Normativo

IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

Verificação dos requisitos de Segurança nas instalações com Gás Natural;
Cumprimento dos requisitos normativos para operação adequada de Central de gás;
Inspeção de Distribuição por tubulação;
Checagem da existência do Plano de emergência;
Verificação do sistema de alimentação;
Verificação do Manual Técnico de operações do equipamento de GN;
Adequação às recomendações do fabricante;
Documentação referente às instalações;
Periféricos do sistema de alimentação;
Checagem da conformidade com Normas aplicáveis;
Histórico de laudos de conformidade;
Validade das vistorias, laudos, prontuários;
Sistema de tubulação e juntas de vedação, sujidades, vestígios entre outros;
Teste de aproveitamento;
Checagem dos itens de segurança;
Identificação de vazamentos;
Verificação do Sistema anti-vazamento;
Concentração de gás;
Cuidados necessários para operações com gás natural;
Equipamentos de proteção individual;
Proteções respiratórias para trabalhos com Gás Natural;
Porte das instalações;
Máquinas e Equipamentos presentes no ambiente avaliado;
Verificação do Manual de Instrução Técnica Operacional e de Manutenção;
Adequação às recomendações do fabricante;
Documentação referente;
Histórico de laudos de conformidade;
Validade das vistorias, laudos, prontuários;
Procedimentos Ocupacionais;
Aptidão dos profissionais;
Checagem dos itens de segurança;
Avaliação qualitativa;
Avaliação quantitativa;
Tagueamento de Máquinas e Equipamentos;
RETROFIT – Processo de Modernização;
Manutenções pontuais ou cíclicas.

Disposições Finais:
Registro fotográfico;
Registro das Evidências;
Conclusão do PLH;
Proposta de melhorias corretivas;
Emissão da A.R.T. (Anotação de Responsabilidade Técnica) e/ou C.R.T. (Certificação de Responsabilidade Técnica).

IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

Referencias Normativas

IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

Referências Normativas quando for o caso aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações:
NR – 20 – Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis;
NR – 23 – Proteção Contra Incêndio;
Instrução Técnica do Corpo de Bombeiros Nº29 – Comercialização, Distribuição e Utilização de Gás Natural;
ABNT NBR 15244 – Critério de projeto, montagem e operação de sistema de suprimento de gás natural veicular (GNV) a partir de gás natural liquefeito (GNL);
ABNT NBR 11353-1 – Veículos rodoviários e veículos automotores – Sistema de gás natural veicular (GNV);
ABNT NBR 14024 – Central de gás liquefeito de petróleo (GNV) – Sistema de abastecimento a granel – Requisitos e procedimento operacional;
ABNT NBR 11893 – Componentes da alimentação de motores alternativos de combustão interna por gás liquefeito de petróleo, para uso exclusivo em empilhadeiras – Especificação;

Protocolo – Guidelines American Heart Association;
ISO 10015 – Gestão da qualidade – Diretrizes para treinamento;
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso;
Outras Normas Técnicas Aplicáveis
Nota:
Este Serviço atende exclusivamente as exigências da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho (SEPRT); quando se tratar de atendimento a outros Órgãos, informe no ato da solicitação.

IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

Validade

IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

Validade das Inspeções: ANUAL exceto se ocorrer quaisquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, finalidades, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de nova Inspeção;
c) mudança de empresa;
d) troca de máquina ou equipamento.
Será emitido Documento Técnico por Profissionais Legalmente Habilitados Perito e Engenheiro de Segurança do Trabalho com ART;

Os Equipamentos utilizados possuem Atestado de Aferição vigente e demais equipamentos são analógicos.

IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

Complementos

Saiba Mais: IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

Cabe a Contratante fornecer quando for o caso:
Fornecer os meios, Projetos arquitetônicos em AutoCad ou PDF;
Projeto Arquitetônico da Empresa que efetuará ou efetuou a instalação e contato com os mesmos.
Lista de todos os equipamentos elétricos e eletrônicos contidos nas áreas com marca, potência modelo, tipo e temperatura;
Se tiver inflamáveis e/ou combustíveis armazenados com mais 200 litros no total torna-se obrigatório fazer o Prontuário da NR-20.
Demais documentos e procedimentos necessários previstos antes ou depois da  Inspeção técnica.

NÃO estão inclusos no Escopo do Serviço:
1. Elaboração de Projeto de Arquitetônico;*
2. Elaboração de Projeto de Instalação;*
3. Elaboração do Memorial de Cálculo*
4. Elaboração de Memorial de Cálculo de Suporte;*
5. Elaboração de Manual de Instrução Técnica Operacional e de Manutenção;*
* (Consultar valor)

Entenda a relação entre Preço e Valor:
Executar uma tarefa tão estratégica como precificar um Serviço exige conhecimento sobre o mundo dos negócios.
Dois conceitos fundamentais para entender como precificar são as definições de Preço e Valor.
Valor é um conceito qualitativo, e está ligado ao potencial transformador daquele conteúdo.
Um curso tem mais valor quando ele agrega mais conhecimentos ao público-alvo.
Preço é uma consequência do valor.
Por ser um conceito essencialmente quantitativo, ele é responsável por “traduzir” o valor em um número.
Portanto, quanto maior é o valor agregado ao conteúdo, maior será o preço justo.

Saiba Mais: IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

Saiba Mais

Saiba Mais: IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural

Instrução Técnica Nº 29 do Corpo de Bombeiros
“5. Procedimentos
5.1 Instalações internas abastecidas por gás natural (GN)
15.1.1 Além do disposto na NBR 13103/11 e NBR 15526/09, a tubulação da rede interna não deve passar no interior de:
a. dutos de lixo, ar-condicionado e águas pluviais;
b. reservatório de água;
c. dutos para incineradores de lixo;
d. poços e elevadores;
e. compartimentos de equipamentos elétricos;
f. compartimentos destinados a dormitórios, exceto quando destinada à conexão de equipamento hermeticamente isolado;
g. poços de ventilação capazes de confinar o gás proveniente de eventual vazamento;
h. qualquer vazio ou parede contígua a qualquer vão formado pela estrutura ou alvenaria, ou por estas e o solo, sem a devida ventilação. Ressalvados os vazios construídos e preparados especificamente para esse fim (shafts), os quais devem conter apenas as tubulações de gás e demais acessórios, com ventilação permanente nas extremidades, sendo que estes vazios devem ser sempre visitáveis e previstos em área com ventilação permanente e garantida;
i. qualquer tipo de forro falso ou compartimento não ventilado, exceto quando utilizado tubo-luva;
j. locais de captação de ar para sistemas de ventilação;
k. todo e qualquer local que propicie o acúmulo de gás vazado;
l. paredes construídas com tijolos vazados observando a ressalva da letra “h”;
m. escadas enclausuradas, inclusive dutos de antecâmara.
5.1.2 Os registros, as válvulas e os reguladores de pressão devem ser instalados de modo a permanecer protegidos contra danos físicos e a permitir fácil acesso, conservação e substituição a qualquer tempo.
5.1.3 As tubulações, quando aparentes, devem ser protegidas contra choques mecânicos.
5.1.4 Os abrigos internos ou externos devem permanecer limpos e não podem ser utilizados como depósito ou outro fim que não aquele a que se destinam.
5.1.5 Ventilação dos abrigos das prumadas internas
5.1.5.1 Os abrigos internos à edificação devem ser dotados de tubulação específica para ventilação, conforme ilustração do Anexo “A”.
5.1.5.2 O tubo utilizado para ventilação (escape do gás) deve ser metálico ou de PVC antichama, com saída na cobertura da edificação e com o dobro do diâmetro de, no mínimo, uma vez e meia o diâmetro da tubulação de gás da prumada.
5.1.5.3 O tubo que interliga o shaft ao tubo de ventilação deve ser metálico ou de PVC antichama, com bocal situado junto ao fechamento da parte superior do shaft, comprimento superior a 50 cm, ter sua junção com o tubo de ventilação formando um ângulo fechado de 45 graus e possuir diâmetro mínimo de uma vez e meia o diâmetro da tubulação de gás que passa pelo respectivo abrigo.
5.1.5.4 Quando a tubulação for interna à edificação e os abrigos nos andares forem adjacentes a uma parede externa, pode ser prevista uma abertura na parte superior deste, dispensando-se a exigência do item anterior, com tamanho equivalente a, no mínimo, duas vezes o da seção da tubulação, devendo ainda tal abertura ter distância de 1,2 m de qualquer outra.
5.1.6 Por ocasião da solicitação de vistoria junto ao Corpo de Bombeiros, devem ser apresentadas as Anotações de Responsabilidade Técnica referentes à instalação ou manutenção do sistema de gás natural e estanqueidade da rede.
5.2 Postos de abastecimento de gás natural veicular Os critérios de projeto, construção e operação de postos de abastecimento destinados à revenda de gás natural veicular devem ser os previstos na NBR 12236/94, além das seguintes providências.
5.2.1.1 Devem ser protegidos por uma unidade extintora sobrerrodas de pó BC, capacidade 80-B:C, além do sistema de proteção contra incêndio exigido para os demais riscos.
5.2.1.2 Em cada ponto de abastecimento deve ser construída uma ilha (meio fio com a função de proteção mecânica), com altura mínima de 0,20 m, conforme NBR 12236/94.
5.2.1.3 O local de abastecimento deve possuir placas de advertência quanto às regras de segurança a serem adotadas pelos usuários, prevendo distâncias seguras de permanência, além de esclarecimentos tais como: “Proibido fumar”, “Desligar o rádio e outros equipamentos elétricos”, “Não utilizar aparelhos celulares”.”
Fonte: Corpo de Bombeiros

IT 29 – Laudo de Utilização de Gás Natural: Consulte-nos.