Siga-nos

Mantenha-se atualizado com as notícias mais importantes

Ao clicar no botão Inscrever-se, você confirma que leu e concorda com nossos Política de Privacidade e Termos de Uso
Área do Aluno
f: sidilab

Ensaio de Flambagem

Nome Técnico: Execução do Ensaio de Flambagem – Ensaios Destrutivos NBR 8800 Estruturas de Aço, Estruturas Mistas Aço, Concreto + Elaboração do Relatório Técnico e ART

Referência: 60768

Ministramos Cursos e Treinamentos; Realizamos Traduções e Versões em Idioma Técnico: Português, Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Mandarim, Alemão, Russo, Sueco, Holandês, Hindi, Japonês e outros consultar.

Ensaio de Flambagem
O objetivo do Ensaio de Flambagem é verificar determinado componente estrutural, sujeito ao fenômeno de flambagem por sobrecarga de peso. O ensaio é crucial para determinação da resistência mecânica do material quando este submetido a aplicação de força paralela ao seu comprimento. Este ensaio é destrutivo, portanto não é viável a utilização dentro dos padrões de qualidade da amostra submetida ao ensaio.

O que é Ensaio de Flambagem?
Consiste na aplicação de carga paralela ao comprimento do corpo de prova, de forma a comprimir de maneira axial a peça. Este ensaio tem o intuito de verificar o limite mecânico da peça até que esta sofra flexão transversal por aplicação de força em sua estrutura. O ensaio tem suma importância principalmente na construção para determinar a resistência dos materiais escolhidos para estrutura.

Carga horária: Pré-Requisitos: Alfabetização OU Nível Técnico

Escopo Normativo

Ensaio de Flambagem

Escopo dos Serviços:
Inspeções e verificações quando pertinentes a ser avaliadas na Inspeção pela nossa Equipe multidisciplinar:
Condições gerais de projeto;
Desenhos de projeto; fabricação; montagem
Materiais;
Introdução;
Aços estruturais e materiais de ligação;
Concreto e aço das armaduras;
Segurança e estados-limites;
Critérios de segurança;
Estados-limites;
Condições usuais relativas aos estados-limites últimos (ELU);
Condições usuais relativas aos estados-limites de serviço (ELS);
Ações a considerar e classificação
Ações permanentes;
Ações variáveis;
Ações excepcionais;
Valores das ações;
Coeficientes de ponderação das ações;
Combinações de ações;
Resistências; 
Valores das resistências;
Coeficientes de ponderação das resistências no estado-limite último (EU);
Coeficientes de ponderação das resistências no estado-limite de serviço (ELS);
Estabilidade e análise estrutural;
Generalidades;
Tipos de análise estrutural;
Exigências de projeto para a estabilidade das barras componentes da estrutura;
Classificação das estruturas quanto à sensibilidade a deslocamentos laterais;
Sistemas resistentes a ações horizontais;
Considerações para dimensionamento;
Determinação dos esforços solicitantes para estados-limites últimos;
Determinação de respostas para estados-limites de serviço;
Análise estrutural de vigas continuas e semicontinuas;
Pilares; Vigas
Integridade estrutural;
Condições especificas para o dimensionamento de elementos de aço;
Condições gerais;
Aplicabilidade;
Relações entre largura e espessura em elementos comprimidos dos perfis de aço;
Barras prismáticas submetidas à força axial de tração;
Força axial resistente de cálculo;
Área liquida efetiva;
Coeficiente de redução;
Barras ligadas por pino;
Barras redondas com extremidades rosqueadas;
Limitação do índice de esbeltez;
Barras prismáticas submetidas á força axial de compressão;;
Força axial resistente de cálculo;
Fator de redução;
Limitação do Indica de esbeltez;
Barras prismáticas submetidas a momento fletor e força cortante;
Momento fletor resistente de cálculo  Força cortante resistente de cálculo;
Chapas de reforço sobrepostas a mesas (lamelas);
Prescrições adicionais relacionadas a seções soldadas;
Barras prismáticas submetidas à combinação de esforços solicitantes;
Barras submetidas a momentos fletores, força axial e forças cortantes;
Barras submetidas a momento de torção, força axial, momentos fletores e forças cortantes;  Barras de seção variável ;
Mesas e almas de pedis 1 e H submetidas a forças transversais localizadas;
Flexão local da mesa;
Escoamento local da alma;
Enrugamento da alma;
Flambagem lateral da alma;
Flambagem da alma por compressão;
Cisalhamento do painel do alma;
Apoios ou extremidades de vigas sem restrição à rotação e com alma livre;
Exigências adicionais para enrijecedores para forças localizadas;
Condições especificas para o dimensionamento de ligações metálicas;
Bases de dimensionamento;
Rigidez das ligações entre viga e pilar;
Barras com ligações flexíveis nos apoios;
Barras com ligações rígidas ou semi-rígidas nos apoios
Resistência mínima de ligações;
Barras comprimidas transmitindo esforços por contato;
Impedimento de rotação nos apoios;
Disposição de soldas e parafusos;
Combinação de parafusos e soldas;
Fratura lamelar;
Limitações de uso para ligações soldadas e parafusadas;
Emendas de perfis pesados;
Recortes de mesa de vigas para ligações e aberturas de acesso para soldagem;
Considerações sobro ligações com perfis de seção tubular;
Soldas;
Áreas efetivas
Combinação de tipos diferentes de soldas;
Exigências relativas ao metal da solda e aos procedimentos de soldagem;
Força resistente de cálculo;
Limitações  Parafusos e barras redondas rosqueadas;
Parafusos de alta resistência;
Áreas de cálculo;
Força resistente de cálculo;
Força resistente de parafusos de alta resistência em ligações por atrito;
Efeito de alavanca;
Dimensões e uso de furos e arruelas;
Pega longa;
Ligações de grande comprimento;
Espaçamento mínimo entre furos; parafusos;
Distância mínima de um furo às bordas;
Distância máxima de um parafuso ou barra rosqueada às bordas;
Pinos;
Esforços e tensão resistente de cálculo;
Elementos de ligação;
Ligações excêntricas;
Elementos tracionados;
Elementos comprimidos;
Elementos submetidos a cisalhamento;
Colapso por rasgamento;
Chapas de enchimento;
Pressão de contato;
Força resistente de cálculo à pressão de contato;
Superfícies usinadas;
Superfícies não usinadas;
Aparelhos de apoio cilíndricos maciços sobre superficial; planas usinadas;
Apoios de concreto;
Projeto, montagem e inspeção de ligações com parafusos de alta resistência;
Parafusos, porcas e arruelas  Partes parafusadas  Instalação dos parafusos com pretensão; inicial  Inspeção;
Bases de pilares;
Condições especificas para o dimensionamento de elementos mistos de aço e concreto;   Condições especificas para o dimensionamento de ligações mistas;
Fadiga;
Empoçamento progressivo;
Fratura frágil;
Temperaturas elevadas;
Condições adicionais de projeto;
Contra flechas;
Corrosão nos componentes de aço;
Diretrizes para durabilidade;
Estados-limites de serviço;
Bases para projeto;
Deslocamentos;
Vibrações dimensionais;
Valores da força axial de flambagem elástica;
Seções com dupla simetria ou simétricas em relação a um ponto;
Seções monossimétricas, exceto o caso de cantoneiras simples previsto em E.1.4;
Seções assimétricas, exceto o caso de cantoneiras simples previsto em E.1.4;
Cantoneiras simples conectadas por uma aba;
Valores do coeficiente de flambagem; 
Coeficiente de flambagem por flexão;
Flambagem local de barras axialmente comprimidas;
Elementos comprimidos;
Paredes de seções tubulares circulares;
Momento fletor resistente de cálculo de vigas de alma não-esbelta;
Momento fletor resistente de cálculo  Simbologia
Momento fletor resistente de cálculo de vigas de alma esbelta
Momento fletor resistente de cálculo;
Aberturas em almas de vigas;
Requisitos para barras de seção variável
Aplicabilidade  Força axial de tração resistente de cálculo;
Força axial de compressão resistente de cálculo;
Momento fletor resistente de cálculo;
Aplicabilidade;
Cálculo da tensão máxima e da máxima faixa de variação de tensões;
Faixa admissível de variação de tensões;
Parafusos e barras redondas rosqueadas;
Requisitos especiais de fabricação e montagem;
Vibrações em pisos;
Considerações gerais;
Avaliação precisa;
Avaliação simplificada para as atividades humanas normais;
Vibrações devidas;
Durabilidade de componentes de aço frente à concebo;
Classificação dos ambientes;
Escolha do sistema de proteção;
Cuidados no projeto da estrutura;
Largura efetiva;
Vigas mistas biapoladas;
Vigas mistas continuas e semicontinuas;
Viga mista em balanço e trecho em balanço de viga mista;
Momento fletor resistente de cálculo em regiões de momentos positivos;
Construção escorada;
Momento fletor resistente de cálculo em regiões de momentos negativos;
Resistência da seção transversal;
Considerações adicionais para as vigas semicontinuas;
Número de conectores;
Verificação da flambagem lateral com distorção da seção transversal;
Disposições para lajes de concreto com fôrma de aço incorporada;
Limitações;
Fôrmas com nervuras perpendiculares ao perfil de aço;
Disposições para lajes com pré-laje do concreto;
Verificação à força cortante;
Conectores de cisalhamento;
Força resistente do cálculo de conectores;
Pinos com cabeça;
Perfil U laminado ou formado a frio;
Localização e espaçamento de conectores de cisalhamento;
Limitações complementares;
Controle de fissuras do concreto em vigas mistas;
Exigências;
Armadura mínima de tração sob deformações impostas;
Armadura mínima de tração sob ações impostas;
Pilares mistos de aço e concreto;
Escopo e esclarecimentos;
Hipóteses básicas;
Limites de aplicabilidade;
Flambagem local dos elementos de aço
Cisalhamento nas superfícies de contato entre o perfil de aço e o concreto;
Regiões de introdução de cargas;
Trechos entre regiões de introdução de cargas;
Forças de atrito adicionais devidas aos conectores;
Pilares submetidos à compressão axial;
Força axial de compressão resistente de cálculo à atazane-ação total;
Pilares submetidos à nexo-compressão;
Modelo de cálculo I  Modelo de cálculo II  Momentos fletores de plastifica, de cálculo;
Disposições construtivas;
Verificação da laje para cargas concentradas ou lineares;
Distribuição;
Armadura de distribuição;
Aços utilizados para fôrma e revestimento;
Ligações mistas;
Comportamento dos componentes das ligações mistas;
Comportamento das barras da armadura tracionada;
Rigidez inicial;
Força resistente de cálculo;
Capacidade de deformação  Comportamento dos conectores de cisalhamento na região de momento negativo;
Capacidade de deformação;
Comportamento das partes metálicas da ligação mista;
Ligação da alma da viga apoiada;
Ligação da mesa inferior da viga apoiada;
Propriedades fundamentais da ligação mista completa;
Momento fletor resistente;
Capacidade de rotação;
Avaliação qualitativa;
Avaliação quantitativa;
Registro fotográfico;
Registro de Evidências;
Conclusão do PLH;
Proposta de melhorias corretivas;
Emissão da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica);

Verificações quando for pertinentes:
Manual de Instrução de Operação da Máquina ou Equipamento;
Plano de Inspeção e Manutenção da Máquina ou Equipamento seguindo a NR 12;
Relatório Técnico com ART da Máquina ou Equipamento conforme NR 12;
Teste de Carga (com ART) conforme NR 12;
END (Ensaios Não Destrutivos) conforme NR 12;
APR (Análise Preliminar de Risco);

Disposições Finais (quando pertinentes):
Caderno, Registro fotográfico e Registros de Avaliação;
Registro das Evidências;
Identificação dos Profissionais (Engenheiros e Peritos);
Conclusão do PLH;
Proposta de melhorias corretivas;
Quando Aplicável: Certificado de Calibração;
Emissão da A.R.T. (Anotação de Responsabilidade Técnica) e/ou C.R.T. (Certificação de Responsabilidade Técnica).

É facultado à  nossa Equipe Multidisciplinar a inserção de normas, leis, decretos ou parâmetros técnicos que julgarem aplicáveis, sendo relacionados ou não ao escopo de serviço negociado, ficando a Contratante responsável por efetuar os devidos atendimentos no que dispõem as legislações, conforme estabelecido nas mesmas.

Ensaio de Flambagem

Referencias Normativas

Ensaio de Flambagem

Referências Normativas (Fontes) aos dispositivos aplicáveis, suas atualizações e substituições até a presente data:
NR 12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos;
ABNT NBR 8800 –  Projeto de Estruturas de aço e de Estruturas Mistas de Aço e Concreto de Edifícios; 

NBR  7190 – Projeto de Estruturas de Madeira;
ABNT NBR 15424 – Ensaios não Destrutivos – Termografia – Terminologia;
ABNT NBR 15572 – Ensaios não Destrutivos — Termografia — Guia para Inspeção de Equipamentos Elétricos e Mecânicos
ABNT NBR 16746 – Segurança de máquinas – Manual de Instruções – Princípios gerais de elaboração;
NBR ISO 13850 – Segurança de Máquinas – Função de parada de emergência – Princípios para projeto;
ABNT NBR ISO 14121-2 – Segurança de máquinas – Apreciação de riscos;
ABNT NBR 14277 – Instalações e equipamentos para treinamento de combate a incêndio – Requisitos;
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso;
Target Normas;
Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT;
Outras Normas Técnicas Aplicáveis
Nota: Este Serviço atende exclusivamente as exigências da MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) quando se tratar de atendimento a outros Órgãos, informe no ato da solicitação.

Ensaio de Flambagem

Validade

Ensaio de Flambagem

Validade das Inspeções: ANUAL exceto se ocorrer quaisquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, finalidades, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de nova Inspeção;
c) mudança de empresa;
d) troca de máquina ou equipamento.
Será emitido Documento Técnico por Profissionais Legalmente Habilitados Perito e Engenheiro de Segurança do Trabalho com ART;
Os Equipamentos utilizados possuem Atestado de Aferição vigente e demais equipamentos são analógicos.

Ensaio de Flambagem

Complementos

Ensaio de Flambagem

Cabe a Contratante fornecer quando for o caso:
Fornecer os meios, Projetos arquitetônicos em Arquivo DWG ou PDF;
Projeto Arquitetônico da Empresa que efetuará ou efetuou a instalação e contato com os mesmos.
Lista de todos os equipamentos elétricos e eletrônicos contidos nas áreas com marca, potência modelo, tipo e temperatura;
Se tiver inflamáveis e/ou combustíveis armazenados com mais 200 litros no total torna-se obrigatório fazer o Prontuário da NR-20.
Demais documentos e procedimentos necessários previstos antes ou depois da  Inspeção técnica.

NÃO estão inclusos no Escopo do Serviço:
1. Elaboração de Projeto de Arquitetônico;*
2. Elaboração de Projeto de Instalação;*
3. Elaboração do Memorial de Cálculo*
4. Elaboração de Memorial de Cálculo de Suporte;*
5. Elaboração de Manual de Instrução Técnica Operacional e de Manutenção;*
* (Consultar valor)

A justificativa da relação Preço e Valor:
A precificação de qualquer serviço exige expertise relacionada ao mundo dos negócios e o conceito de Valor é qualitativo, diretamente ligado ao potencial de transformação existente naquele conteúdo. O serviço tem mais valor quando tem conhecimento e segredos profissionais agregados e o preço é uma variável consequente do valor, cujo objetivo é transmiti-lo em números. Assim, quanto maior for o valor agregado ao conteúdo, maior será o seu preço justo. Portanto, não autorizamos a utilização de nossas Propostas como contraprova de fechamento com terceiros de menor preço, ou de interesse secundário, Qualidade, Segurança, Eficiência e Excelência, em todos os sentidos, são os nossos valores.

Ensaio de Flambagem

Saiba Mais

Saiba Mais: Ensaio de Flambagem:

4.1 Generalidades
4.1.1 As obras executadas total ou parcialmente com estatura de aço ou com estrutura mista de aço e concreto devem obedecer a projeto elaborado de acordo com esta Norma. sob responsabilidade de profissionais legalmente habilitados.
4.1.2 Entende-se por projeto o conjunto de especificações. cálculos estruturais. desenhos de protelo. de fabricação e de montagem dos elementos de aço e desenhos de fôrmas e armação referentes às partes de concreto.
4.2 Desenhos de projeto
4.2.1 Os desenhos de projeto devem ser executados em escala adequada para o nível das informações desejadas Devem conter todos os dados necessários para o detalhamento da estrutura, para a execução dos desenhos de montagem e para o projeto das fundações
4.2.2 Os desenhos de projeto devem indicar quais as normas complementares que foram usadas e dar as especificações de todos os materiais estruturais empregados. Devem indicar lambem os dados relativos as ações adotadas e aos esforços solicitantes de calculo a serem resistidos por barras e ligações, quando necessários nos para a preparação adequada dos desenhos de fabricação. 4.2.3 Nas ligações com parafusos de alta resistência, os desenhos de projeto devem indicar se o aperro será normal ou com pretensão inicial e. neste último caso. se os parafusos trabalharem a cisalhamento. se a ligação e por atrito ou por contato.
4.2.4 As ligações soldadas devem ser caracterizadas por simbologia adequada que contenha informações completas para sua execução. de acordo com a AWS A2,4
4.2.5 No caso de edifícios industriais, devem ser apresentados nos desenhos de projeto ou memorial de cálculo o esquema de localização das ações decorrentes dos equipamentos mais importantes que serão suportados pela estrutura. os valores dessas ações e, quando for o caso. os dados para a consideração de efeitos dinâmicos
4.2.6 Quando o método construtivo for condicionante. tendo feito parte dos procedimentos do Calculo estruturai, devem ser indicados os pontos de içamento previstos e os pesos das peças da estrutura. além de outras informações similares relevantes. Devem ser levados em conta coeficientes de impacto adequados ao tipo de equipamento que e utilizado na montagem Além disso. devem ser indicadas as posições que serão ocupadas temporariamente por equipamentos principais ou auxiliares de montagem sobre a estrutura, incluindo posição de amarração de cabos ou espanas. Outras situações que possam afetar a segurança da estrutura devem lambem ser consideradas.
4.2.7 Nos casos onde os comprimentos das peças da estrutura possam ser influenciados por variações de temperatura durante a montagem, devem ser indicadas as faixas de variação consideradas.
4.2.8 Devem ser indicadas nos desenhos de projeto as contra flechas de vigas.
4.10 Analise estrutural de vigas continuas e semicontinuas
4.10.1 Esta subseção aplica-se á determinação de esforços solicitantes de cálculo em vigas continuas e semicontinuas. mistas ou não. apenas nos casos em que se possa considerar que os pilares ou outros elementos de comportamento similar não interfiram na distribuição de momentos Pletoras nos apoios. Nos demais casos, devesse utilizar análise racional.
4.10.2 Para a determinação dos esforços solicitantes de cálculo. a análise pode ser rígido-plástica ou elástica. sem redistribuição de momentos Recomenda-se o primeiro tipo de analise para um melhor aproveitamento do sistema estrutural. Alternativamente, pode-se utilizar análise elástica com redistribuição de momentos com base no ANSI/AISC 360, para vigas de aço, ou no Euro code 4 Pari 1.1. para vigas mistas. na ausência de norma brasileira aplicável.
4.10.3 Para a realização da análise rígido-plástica. deve ser obedecido o disposto em 4.10.5 e 4.10.6, devendo-se ainda assegurar que. em cada ponto de formação de rótula plástica:
a) a seção transversal do perfil de aço sela simétrica em relação ao plano da alma e possua contenção lateral adequada.
b) a capacidade de rotação sela suficiente para permitir a formação da rotula plástica e. consequentemente. a redistribuição de momentos Setores.
4.10.4 A exigência contida em 4 10 3b) pode ser considerada atendida se a seção transversal do perfil de aço for compacta e
a) em vogas continuas. as ligações nos pontos de formação de rótula plástica possuírem resistência pelo menos 20% superior á das vigas (as ligações soldadas em toda a seção transversal do perfil de aço com solda de penetração total podem ser consideradas adequadas). sendo que, nas vigas continuas mistas. devem também ser atendidas as exigências dadas em 4.10.7.
b) em vigas semicontinuas. a capacidade de rotação das ligações for comprovadamente superior ê capacidade de rotação necessária do sistema (ver Anexo R para ligações mistas).
4.11.3 Vigas
4.11.3.1 As contenções de urna viga devem impede o deslocamento relativo das mesas superior e inferior_ A estabilidade lateral de vigas deve ser proporcionada por contenção que impeça o deslocamento lateral (contenção de translação). a torção (contenção de torção) ou uma combinação entre os dois movimentos. Em barras sujeitas A flexão com curvatura reversa, o ponto de Inflexão não pode ser considerado por si só como uma contenção.
4.11.3.2 As contenções de translação podem ser relativas ou nadais, devendo ser fixadas próximas da mesa comprimida. Vigas em balanço. uma contenção na extremidade sem apoio deve ser fixada próxima da mesa !racionada. As contenções de translação devem ser fixadas próximas a ambas as mesas. quando situadas nas vizinhanças do ponto de inflexão nas viga sujeitas ri curvatura reversa.
4.11.3.3 A força resistente e a rigidez de cálculo necessárias das contenções de translação relativas são dadas. respectivamente, por.

Fonte: ABNT NBR 8800

Ensaio de Flambagem: Consulte-nos.