Siga-nos

Mantenha-se atualizado com as notícias mais importantes

Ao clicar no botão Inscrever-se, você confirma que leu e concorda com nossos Política de Privacidade e Termos de Uso
Área do Aluno
Curso Operação Central Alarme de Incêndio Curso Operação Central Alarme de Incêndio
FONTE: FREEPIK AUT

Curso Operação Central Alarme de Incêndio

O objetivo do Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio é preparar colaboradores para entenderem, operarem e administrarem a Central de Alarme com proficiência e perspicácia, visando sempre a Segurança dos Trabalhadores e do Patrimônio da empresa envolvida no ambiente industrial e corporativo.
Nome Técnico: Curso Capacitação Segurança na Operação de Central de Alarme de Incêndio

Referência: 12055

Ministramos Cursos e Treinamentos; Realizamos Traduções e Interpretações em Idioma Técnico: Português, Inglês, Espanhol, Mandarim, Alemão, Hindi, Japonês, Árabe e outros consultar

Qual o objetivo do Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio?
O objetivo do Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio é preparar colaboradores para entenderem, operarem e administrarem a Central de Alarme com proficiência e perspicácia, visando sempre a Segurança dos Trabalhadores e do Patrimônio da empresa envolvida no ambiente industrial e corporativo.

O que é Alarme de Incêndio?
O alarme de incêndio é o sistema responsável pela informação de todos os usuários envolvidos em uma determinada área da iminência da ocorrência de um incêndio ou no princípio do mesmo.

Quais os documentos necessários para o Planejamento do Sistema de Detecção de Incêndio e alarme de Incêndio?
A NBR 17240 recomenda-se que sejam reunidas todas as informações necessárias para o planejamento do sistema de detecção de incêndio e alarme de incêndio, sendo consideradas, por exemplo:
Plantas da Edificação (planta baixa, cortes etc.);
Levantamento do material combustível do ambiente a ser protegido;
Descrição das condições ambientais, tais como:
Temperatura;
Umidade;
Atmosferas corrosivas;
Agressivas ou poluídas,
Influencias eletromagnéticas;
Número de trocas de ar para ambientes com ventilação;
Nível de ruído, visibilidade etc.;
População fixa e flutuante;
Descrição da infra-estrutura do ambiente (por exemplo, sistema de controle de fumaça, pressurização de escadas, ventilação, ar-condicionado, comunicação, eletricidade. brigada de incêndio, rotas de fuga, controle de elevadores etc.);
Outros sistemas a serem controlados e/ou supervisionados pelo sistema de detecção e alarme de incêndio (por exempla sistemas de combate automático de incêndio, sistemas de sprinklers);
Outros sistemas a serem interligados ao sistema de detecção e alarme de incêndio (por exemplo, sistemas de controle de acesso e supervisão predial);
Normas ou códigos específicos pertinentes ao projeto a ser desenvolvido.

Clique no Link: Critérios para Emissão de Certificados conforme as Normas

Carga horária: 16 Horas Pré-Requisito: Alfabetização

Conteudo Programatico Normativo

Curso Operação Central Alarme de Incêndio

Conteúdo Programático Normativo:
Interpretação da NBR 17240;
Conscientização da importância do Manual de Instruções;
Aspectos Gerais da Prevenção de Incêndios;
Características técnicas da Central de Alarme de Incêndio;
Classificação dos Incêndios e os Métodos de Extinção;
Acionadores Manuais de Alarme;
Alarme de Incêndio, baterias e cabeamento;
Configuração da central e dos módulos;
Critério de supervisão de saídas de sirene, para alarme e defeito e defeito nas saídas sirene;
Critérios de supervisão e definição dos símbolos de advertência;
Descrição das partes da central;
Detalhes das indicações do painel frontal;
Dimensional da central e equipamentos auxiliares;
Equipamentos de Detecção e Combate a Incêndio;
Erros mais comuns e forma conexão do cabo de programação;
Identificação/solução de problemas;
Iluminação de emergência e interligação com ventilação;
Informações gerais da Central de Alarme de Incêndio;
Interligação da central com seus periféricos;
Manuseio de componentes eletrônicos;
Noções sobre Manutenção periódica da central;
Noções sobre Manutenção preventiva do sistema de detecção e alarme;
Meios de Escape, parte interna da central e porta Corta-Fogo;
Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio
Posicionamento da central;
Principais Causas de Incêndio em uma Edificação;
Princípios Básicos do Fogo;
Procedimento de ajuste do calendário;
Recomendações e reconhecimento do alarme;
Reinicialização do sistema de alarme;
Saída de emergência e sinais do acionador;
Sinalização de alarme, de defeito e de segurança;
Curso Operação dos Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio;
NBR 17240 item 5.3 – Central, painel reparador e painel sinóptico;
NBR 17240 item 6.1 – Central;
NBR 17240 item 8.2 – Entrega e aceitação do sistema;
NBR 17240 item 9 – Treinamento de operação do sistema;

Complementos da Atividade – Conscientização da Importância:
APR (Análise Preliminar de Riscos);
PE (Plano de Emergência);
PGR (Plano de Gerenciamento de Riscos);
GRO (Gerenciamento de Riscos Ocupacionais);
Compreensão da necessidade da Equipe de Resgate – NBR 16710;
A Importância do conhecimento da tarefa;
Prevenção de acidentes e noções de primeiros socorros;
Proteção contra incêndios – NBR 14276;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança: Fator medo;
Como descobrir o jeito mais rápido e fácil para desenvolver Habilidades;
Como controlar a mente enquanto trabalha;
Como administrar e gerenciar o tempo de trabalho;
Porque equilibrar a energia durante a atividade a fim de obter produtividade;
Consequências da Habituação do Risco;
Causas de acidente de trabalho;
Noções sobre Árvore de Causas;
Entendimentos sobre Ergonomia, Análise de Posto de Trabalho e Riscos Ergonômicos.

Noções básicas de:
HAZCOM – Hazard Communication Standard (Padrão de Comunicação de Perigo);
HAZMAT – Hazardous Materials (Materiais Perigosos);
HAZWOPER – Hazardous Waste Operations and Emergency Response (Operações de Resíduos Operações Perigosas e Resposta a Emergências);
Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) – ISO 45001;
FMEA – Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha);
SFMEA – Service Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de serviços);
PFMEA – Process of Failure Mode and Effects Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Processos);
DFMEA – Design Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Design);
Análise de modos, efeitos e criticidade de falha (FMECA);
Ferramenta Bow Tie (Análise do Processo de Gerenciamento de Riscos);
Ferramenta de Análise de Acidentes – Método TRIPOD;
Padrão de Comunicação e Perigo (HCS (Hazard Communication Standard) – OSHA;
Escala Hawkins (Escala da Consciência);

Exercícios Práticos:
Registro das Evidências;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

NOTA:
Ressaltamos que o Conteúdo Programático Normativo Geral do Curso ou Treinamento poderá ser alterado, atualizado, acrescentando ou excluindo itens conforme necessário pela nossa Equipe Multidisciplinar.
É facultado à nossa Equipe Multidisciplinar atualizar, adequar, alterar e/ou excluir itens, bem como a inserção ou exclusão de Normas, Leis, Decretos ou parâmetros técnicos que julgarem aplicáveis, estando relacionados ou não, ficando a Contratante responsável por efetuar os devidos atendimentos no que dispõem as Legislações pertinentes.

Referencias Normativas

Referências Normativas (Fontes) aos dispositivos aplicáveis, suas atualizações e substituições até a presente data:
NR 07 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO;
NR 09 – Avaliação e Controle das Exposições Ocupacionais a Agentes Físicos, Químicos e Biológicos;
ABNT NBR 5426 – Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos;
ABNT NBR 10719 – Informação e documentação – Relatório técnico e/ou científico – Apresentação;
ABNT NBR 16746 – Segurança de máquinas – Manual de Instruções – Princípios gerais de elaboração;
NBR ISO 13850 – Segurança de Máquinas – Função de parada de emergência – Princípios para projeto;
ABNT ISO/TR 14121-2 – Segurança de máquinas – Apreciação de riscos;
ABNT NBR 14277 – Instalações e equipamentos para treinamento de combate a incêndio – Requisitos;
NBRISO/IEC27557 – Segurança da Informação, segurança cibernética e proteção da privacidade;
ABNT NBR ISO 31000 – Gestão de riscos de privacidade organizacional;
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso;
Target Normas;
Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT;
Outras Normas Técnicas Aplicáveis.
Nota: Este Serviço atende exclusivamente as exigências da MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) quando se tratar de atendimento a outros Órgãos, informe no ato da solicitação.

Carga horária e Atualização

Curso Operação Central Alarme de Incêndio

Conteúdo Programático Normativo:
Interpretação da NBR 17240;
Conscientização da importância do Manual de Instruções;
Aspectos Gerais da Prevenção de Incêndios;
Características técnicas da Central de Alarme de Incêndio;
Classificação dos Incêndios e os Métodos de Extinção;
Acionadores Manuais de Alarme;
Alarme de Incêndio, baterias e cabeamento;
Configuração da central e dos módulos;
Critério de supervisão de saídas de sirene, para alarme e defeito e defeito nas saídas sirene;
Critérios de supervisão e definição dos símbolos de advertência;
Descrição das partes da central;
Detalhes das indicações do painel frontal;
Dimensional da central e equipamentos auxiliares;
Equipamentos de Detecção e Combate a Incêndio;
Erros mais comuns e forma conexão do cabo de programação;
Identificação/solução de problemas;
Iluminação de emergência e interligação com ventilação;
Informações gerais da Central de Alarme de Incêndio;
Interligação da central com seus periféricos;
Manuseio de componentes eletrônicos;
Noções sobre Manutenção periódica da central;
Noções sobre Manutenção preventiva do sistema de detecção e alarme;
Meios de Escape, parte interna da central e porta Corta-Fogo;
Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio
Posicionamento da central;
Principais Causas de Incêndio em uma Edificação;
Princípios Básicos do Fogo;
Procedimento de ajuste do calendário;
Recomendações e reconhecimento do alarme;
Reinicialização do sistema de alarme;
Saída de emergência e sinais do acionador;
Sinalização de alarme, de defeito e de segurança;
Curso Operação dos Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio;
NBR 17240 item 5.3 – Central, painel reparador e painel sinóptico;
NBR 17240 item 6.1 – Central;
NBR 17240 item 8.2 – Entrega e aceitação do sistema;
NBR 17240 item 9 – Treinamento de operação do sistema;

Complementos da Atividade – Conscientização da Importância:
APR (Análise Preliminar de Riscos);
PE (Plano de Emergência);
PGR (Plano de Gerenciamento de Riscos);
GRO (Gerenciamento de Riscos Ocupacionais);
Compreensão da necessidade da Equipe de Resgate – NBR 16710;
A Importância do conhecimento da tarefa;
Prevenção de acidentes e noções de primeiros socorros;
Proteção contra incêndios – NBR 14276;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança: Fator medo;
Como descobrir o jeito mais rápido e fácil para desenvolver Habilidades;
Como controlar a mente enquanto trabalha;
Como administrar e gerenciar o tempo de trabalho;
Porque equilibrar a energia durante a atividade a fim de obter produtividade;
Consequências da Habituação do Risco;
Causas de acidente de trabalho;
Noções sobre Árvore de Causas;
Entendimentos sobre Ergonomia, Análise de Posto de Trabalho e Riscos Ergonômicos.

Noções básicas de:
HAZCOM – Hazard Communication Standard (Padrão de Comunicação de Perigo);
HAZMAT – Hazardous Materials (Materiais Perigosos);
HAZWOPER – Hazardous Waste Operations and Emergency Response (Operações de Resíduos Operações Perigosas e Resposta a Emergências);
Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) – ISO 45001;
FMEA – Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha);
SFMEA – Service Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de serviços);
PFMEA – Process of Failure Mode and Effects Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Processos);
DFMEA – Design Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Design);
Análise de modos, efeitos e criticidade de falha (FMECA);
Ferramenta Bow Tie (Análise do Processo de Gerenciamento de Riscos);
Ferramenta de Análise de Acidentes – Método TRIPOD;
Padrão de Comunicação e Perigo (HCS (Hazard Communication Standard) – OSHA;
Escala Hawkins (Escala da Consciência);

Exercícios Práticos:
Registro das Evidências;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

NOTA:
Ressaltamos que o Conteúdo Programático Normativo Geral do Curso ou Treinamento poderá ser alterado, atualizado, acrescentando ou excluindo itens conforme necessário pela nossa Equipe Multidisciplinar.
É facultado à nossa Equipe Multidisciplinar atualizar, adequar, alterar e/ou excluir itens, bem como a inserção ou exclusão de Normas, Leis, Decretos ou parâmetros técnicos que julgarem aplicáveis, estando relacionados ou não, ficando a Contratante responsável por efetuar os devidos atendimentos no que dispõem as Legislações pertinentes.

Complementos

Cabe a Contratante fornecer quando for o caso:
Fornecer os meios, Projetos arquitetônicos em Arquivo DWG ou PDF;
Projeto Arquitetônico da Empresa que efetuará ou efetuou a instalação e contato com os mesmos.
Lista de todos os equipamentos elétricos e eletrônicos contidos nas áreas com marca, potência modelo, tipo e temperatura;
Se tiver inflamáveis e/ou combustíveis armazenados com mais 200 litros no total torna-se obrigatório fazer o Prontuário da NR-20.
Demais documentos e procedimentos necessários previstos antes ou depois da  Inspeção técnica.

NÃO estão inclusos no Escopo do Serviço:
1. Elaboração de Projeto de Arquitetônico;*
2. Elaboração de Projeto de Instalação;*
3. Elaboração do Memorial de Cálculo*
4. Elaboração de Memorial de Cálculo de Suporte;*
5. Elaboração de Manual de Instrução Técnica Operacional e de Manutenção;*
* (Consultar valor)

O que são Células de Carga?
As células de carga são medidores de deformação ou flexão de um corpo, transformando grandeza física, ou seja, uma força, em um sinal elétrico. Utilizadas na análise experimental de esforços e na medição elétrica da resistência à tensão, essas células são empregadas na maioria das aplicações industriais.

Cabe a Contratante fornecer :
Procedimentos da Inspeção quando for o caso e se envolver Estruturas:
Importante: Serão realizados Teste de Solda e Sistema de Líquido Penetrante no equipamento e nas peças que contenham pontos de solda;
01- Os pontos que contém solda no decorrer da peça (Inclusive quando tiver braço articulado e apoio de cesto acoplado) deverão estar devidamente decapados, sem nenhum tipo de resíduos tais como tintas, vernizes, colas ou qualquer tipo de sujidades ou resíduos de óleo, graxa etc;
02- Passar STRIPTIZI GEL em todas as bases do Equipamento e peças de apoio, limpar bem e passar pano (não deixar nenhuma sujidade);
03- Se tiver Lanças automáticas ou lança manual, lixar solda da frente;
04- Se Contratado Execução de TESTE DE CARGA cabe a Contratante disponibilizar CÉLULAS DE CARGA ou compartimento para teste de carga (tipo big bag, cintas novas calibradas INMETRO, balança, tarugos de metal calibrado ou sacos de areia pesados equivalente até 125% que o equipamento suporta e fornecer Declaração de Responsabilidade  referente a Capacidade do Equipamento.
Se Contratado ENSAIOS ELÉTRICOS em Cesto acoplado de preferência com Placa de Identificação, o mesmo  deverá estar no nível do solo juntamente com Laudo de Fabricação de aparelhos que tiver para sabermos quantos Volts suporta.

Documentos necessários para Equipamentos de Içamento
a) Arts do Pórtico com os últimos 3 laudos, incluindo a ART com Memorial de Cálculo do Projeto Inicial do Pórtico;
b) Memoriais de Cálculo de Dimensionamento da Talha atual X pórtico com ART;
c) Memoriais de cálculo de carga do moitão da talha e dos cabos de aço com ART;
d) ART da Montagem da Talha com Memorial de Cálculo Estrutural;
e) Todas as soldas constantes no pórtico deverão estar sem tintas ou resíduos e também não deverão estar lixadas, bem como o moitão e o gancho da talha;
f) O setor deve ficar interditado até segunda ordem para os testes;
g) Deverá ter uma carga disponível com uma balança calibrada e com Laudo da capacidade e uma carga com 175%.
h) O Eng de segurança do trabalho em conjunto com o SESMT deverão emitir uma declaração de responsabilidade quanto ao teste de carga em caso de rompimento ou acidente com um de nossos colaboradores;
i) Todos os Sistemas Elétricos deverão estar desativados com sistema Power Lockout;
Serão utilizados os sistemas de líquido penetrante e líquido revelador nas soldas o que poderá intoxicar quaisquer alimentos presentes.
j) O Teste de Carga será realizado conforme norma da ABNT desde que autorizado e declarado pelos responsáveis a inteira responsabilidade por quaisquer questões que ocorram com nossos colaboradores durante o teste. Sendo este executado em 1 hora com carga a 100% da carga talha e mais uma hora com 125% da carga talha.
l) Observe-se que, se não houverem as documentações solicitadas, que a empresa declare que não há via e-mail.

Plano de Inspeção e Manutenção do Equipamento é obrigatório conforme previsto na NR 12.

A justificativa da relação Preço e Valor:
A precificação de qualquer serviço exige expertise relacionada ao mundo dos negócios e o conceito de Valor é qualitativo, diretamente ligado ao potencial de transformação existente naquele conteúdo. O serviço tem mais valor quando tem conhecimento e segredos profissionais agregados e o preço é uma variável consequente do valor, cujo objetivo é transmiti-lo em números. Assim, quanto maior for o valor agregado ao conteúdo, maior será o seu preço justo. Portanto, não autorizamos a utilização de nossas Propostas como contraprova de fechamento com terceiros de menor preço, ou de interesse secundário, Qualidade, Segurança, Eficiência e Excelência, em todos os sentidos, são os nossos valores.

Saiba Mais

Saiba Mais: Curso Operação Central Alarme de Incêndio

23.1 Objetivo
23.1.1 Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece medidas de prevenção contra incêndios nos ambientes de trabalho.
23.2 Campo de aplicação
23.2.1 As medidas de prevenção estabelecidas nesta NR se aplicam aos estabelecimentos e locais de trabalho.
23.3 Medidas de prevenção contra incêndios
23.3.1 Toda organização deve adotar medidas de prevenção contra incêndios em conformidade com a legislação estadual e, quando aplicável, de forma complementar, com as normas técnicas oficiais.
23.3.2 A organização deve providenciar para todos os trabalhadores informações sobre:
a) utilização dos equipamentos de combate ao incêndio;
b) procedimentos de resposta aos cenários de emergências e para evacuação dos locais de trabalho com segurança; e
c) dispositivos de alarme existentes.
23.3.3 Os locais de trabalho devem dispor de saídas em número suficiente e dispostas de modo que aqueles que se encontrem nesses locais possam abandoná-los com rapidez e segurança em caso de emergência.
23.3.4 As aberturas, saídas e vias de passagem de emergência devem ser identificadas e sinalizadas de acordo com a legislação estadual e, quando aplicável, de forma complementar, com as normas técnicas oficiais, indicando a direção da saída.
23.3.4.1 As aberturas, saídas e vias de passagem devem ser mantidas desobstruídas.
23.3.5 Nenhuma saída de emergência deve ser fechada à chave ou presa durante a jornada de trabalho.
23.3.5.1 As saídas de emergência podem ser equipadas com dispositivos de travamento que permitam fácil abertura do interior do estabelecimento.
F: NR 23.

URL FOTO
Licença do autor: Jofreepik – Freepik.com

Curso Operação Central Alarme de Incêndio: Consulte-nos.

Conteúdo Programático

Curso Operação Central Alarme de Incêndio

Conteúdo Programático Normativo:
Interpretação da NBR 17240;
Conscientização da importância do Manual de Instruções;
Aspectos Gerais da Prevenção de Incêndios;
Características técnicas da Central de Alarme de Incêndio;
Classificação dos Incêndios e os Métodos de Extinção;
Acionadores Manuais de Alarme;
Alarme de Incêndio, baterias e cabeamento;
Configuração da central e dos módulos;
Critério de supervisão de saídas de sirene, para alarme e defeito e defeito nas saídas sirene;
Critérios de supervisão e definição dos símbolos de advertência;
Descrição das partes da central;
Detalhes das indicações do painel frontal;
Dimensional da central e equipamentos auxiliares;
Equipamentos de Detecção e Combate a Incêndio;
Erros mais comuns e forma conexão do cabo de programação;
Identificação/solução de problemas;
Iluminação de emergência e interligação com ventilação;
Informações gerais da Central de Alarme de Incêndio;
Interligação da central com seus periféricos;
Manuseio de componentes eletrônicos;
Noções sobre Manutenção periódica da central;
Noções sobre Manutenção preventiva do sistema de detecção e alarme;
Meios de Escape, parte interna da central e porta Corta-Fogo;
Curso Operação de Central de Alarme de Incêndio
Posicionamento da central;
Principais Causas de Incêndio em uma Edificação;
Princípios Básicos do Fogo;
Procedimento de ajuste do calendário;
Recomendações e reconhecimento do alarme;
Reinicialização do sistema de alarme;
Saída de emergência e sinais do acionador;
Sinalização de alarme, de defeito e de segurança;
Curso Operação dos Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio;
NBR 17240 item 5.3 – Central, painel reparador e painel sinóptico;
NBR 17240 item 6.1 – Central;
NBR 17240 item 8.2 – Entrega e aceitação do sistema;
NBR 17240 item 9 – Treinamento de operação do sistema;

Complementos da Atividade – Conscientização da Importância:
APR (Análise Preliminar de Riscos);
PE (Plano de Emergência);
PGR (Plano de Gerenciamento de Riscos);
GRO (Gerenciamento de Riscos Ocupacionais);
Compreensão da necessidade da Equipe de Resgate – NBR 16710;
A Importância do conhecimento da tarefa;
Prevenção de acidentes e noções de primeiros socorros;
Proteção contra incêndios – NBR 14276;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança: Fator medo;
Como descobrir o jeito mais rápido e fácil para desenvolver Habilidades;
Como controlar a mente enquanto trabalha;
Como administrar e gerenciar o tempo de trabalho;
Porque equilibrar a energia durante a atividade a fim de obter produtividade;
Consequências da Habituação do Risco;
Causas de acidente de trabalho;
Noções sobre Árvore de Causas;
Entendimentos sobre Ergonomia, Análise de Posto de Trabalho e Riscos Ergonômicos.

Noções básicas de:
HAZCOM – Hazard Communication Standard (Padrão de Comunicação de Perigo);
HAZMAT – Hazardous Materials (Materiais Perigosos);
HAZWOPER – Hazardous Waste Operations and Emergency Response (Operações de Resíduos Operações Perigosas e Resposta a Emergências);
Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) – ISO 45001;
FMEA – Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha);
SFMEA – Service Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de serviços);
PFMEA – Process of Failure Mode and Effects Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Processos);
DFMEA – Design Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Design);
Análise de modos, efeitos e criticidade de falha (FMECA);
Ferramenta Bow Tie (Análise do Processo de Gerenciamento de Riscos);
Ferramenta de Análise de Acidentes – Método TRIPOD;
Padrão de Comunicação e Perigo (HCS (Hazard Communication Standard) – OSHA;
Escala Hawkins (Escala da Consciência);

Exercícios Práticos:
Registro das Evidências;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

NOTA:
Ressaltamos que o Conteúdo Programático Normativo Geral do Curso ou Treinamento poderá ser alterado, atualizado, acrescentando ou excluindo itens conforme necessário pela nossa Equipe Multidisciplinar.
É facultado à nossa Equipe Multidisciplinar atualizar, adequar, alterar e/ou excluir itens, bem como a inserção ou exclusão de Normas, Leis, Decretos ou parâmetros técnicos que julgarem aplicáveis, estando relacionados ou não, ficando a Contratante responsável por efetuar os devidos atendimentos no que dispõem as Legislações pertinentes.