Siga-nos

Mantenha-se atualizado com as notícias mais importantes

Ao clicar no botão Inscrever-se, você confirma que leu e concorda com nossos Política de Privacidade e Termos de Uso
Área do Aluno
Curso Projeto Execução de Taludes Curso Projeto Execução de Taludes
f: flickr

Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes

O objetivo do Curso é aprimorar os participantes a aplicação na NBR 11682 – Estabilidade de Encostas, e ao Projeto e Execução de Taludes que são dividos em partes: Projeto: Esta etapa corresponde à caracterização do perfil geológico-geotécnico, incluindo definição do modelo de cálculo com os respectivos parâmetros, diagnóstico e concepção do projeto (com possíveis alternativas) e detalhamento da obra com as respectivas fases de execução. Execução de Obra: Abrange as considerações básicas de técnicas de execução, sequência executiva, detalhes de acabamentos, segurança e controle de qualidade, bem como a documentação necessária, incluindo os ajustes executados no projeto durante as obras, em documento de revisão do projeto como construído (“as built”). Características físicas do maciço: Definição de parâmetros para a execução do talude (altura de corte, definição da base e da crista, ângulo do talude; altura das bancadas e largura das bermas);
Nome Técnico: Curso Aprimoramento sobre Aplicação da NBR 11682 - Estabilidade de Encostas

Referência: 1633

Ministramos Cursos e Treinamentos; Realizamos Traduções e Interpretações em Idioma Técnico: Português, Inglês, Espanhol, Mandarim, Alemão, Hindi, Japonês, Árabe e outros consultar.

Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes
O objetivo do Curso é aprimorar os participantes a aplicação na NBR 11682 – Estabilidade de Encostas, e ao Projeto e Execução de Taludes que são dividas em partes:
ProjetoEsta etapa corresponde à caracterização do perfil geológico-geotécnico, incluindo definição do modelo de cálculo com os respectivos parâmetros, diagnóstico e concepção do projeto (com possíveis alternativas) e detalhamento da obra com as respectivas fases de execução.
Execução de ObraAbrange as considerações básicas de técnicas de execução, sequência executiva, detalhes de acabamentos, segurança e controle de qualidade, bem como a documentação necessária, incluindo os ajustes executados no projeto durante as obras, em documento de revisão do projeto como construído (“as built”).
Características físicas do maciço: Definição de parâmetros para a execução do talude (altura de corte, definição da base e da crista, ângulo do talude; altura das bancadas e largura das bermas);

O que é um Talude?
Talude é um tipo de planície de um terreno que se limita a um aterro, que tem como função de sustentar a estabilidade do aterro. Pode ser consequência de uma escavação ou de origem natural.

O que é a NBR 11682?
A norma dita os requisitos para o estudo e controle da estabilidade de encostas e de taludes resultantes de cortes e aterros realizados em encostas, ligando as condições para estudos, projeto, execução, controle e observação de obras de estabilização.

Carga horária: 16 Horas Pré-Requisito: Alfabetização

Escopo Normativo

Escopo do Serviço:

Verificação do Manual de Instrução Técnica Operacional e de Manutenção;
Avaliação qualitativa;
Avaliação quantitativa;
Registro fotográfico;
Conclusão do PLH;
Proposta de melhorias corretivas;
Emissão da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica);
Nota: Este Laudo atende exclusivamente as exigências do Ministério do Trabalho (MTE).

Procedimentos da Inspeção:
Importante: Serão realizados Teste de Solda e Sistema de Líquido Penetrante no equipamento e nas peças que contenham pontos de solda;

01- Os pontos que contém solda no decorrer da peça (braço articulado e apoio de cesto acoplado) deverão estar devidamente decapados, sem nenhum tipo de resíduos tais como tintas, vernizes, colas ou qualquer tipo de sujidades ou resíduos de óleo, graxa etc;
02- Passar PINTOF em todas as bases dos Equipamentos e peças de apoio, limpar bem e passar pano (não deixar nenhuma sujidade);
03- As lanças automáticas lixar a solda da frente, se tiver lança manual, lixar solda da frente;
04- Quando Contratado Execução de TESTE DE CARGA disponibilizar Balança e sacos de areia 50% da capacidade que o Equipamento Suporta.

Referências Normativas quando for o caso aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso.

Cabe a Contratante quando for o caso:
Fornecer os meios, Projetos arquitetônicos em AutoCad ou PDF;
Lista de todos os equipamentos elétricos e eletrônicos contidos na áreas com marca, potência modelo, tipo e temperatura;
Se tiver inflamáveis e/ou combustíveis armazenados com mais 200 litros no total torna-se obrigatório fazer o Prontuário da NR-20.

Conteudo Programatico Normativo

Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes

Definições e Condições gerais;
Etapas de Procedimentos Preliminares;
Investigações geológico-geotécnicas;
Procedimentos preliminares;
Investigações do terreno; Projeto;
Execução de obras;
DHP (Designar Dreno Subhorizontal Profundo)
Acompanhamento e Encosta;
Manutenção, Fatores de Segurança;
Monitoramento; Ruptura de um Talude;
Amostragem e Planejamento;
Acondicionamento e transporte;
Investigações em laboratório;
Levantamento de taludes rochosos
Vida útil operacional;
Parâmetros ambientais (área ocupada e desmatamento);
Instalação de equipamentos (se aplicável);
Análise de risco conforme NBR 11682 :2009
Proteção contra intempéries;
Possíveis interferências operacionais;
Critérios de segurança de tráfego;
Plano, periodicidade de inspeção e monitoramento do talude.

Complementos para Máquinas e Equipamentos quando for o caso:
Conscientização da Importância:
Manual de Instrução de Operação da Máquina ou Equipamento;
Plano de Inspeção e Manutenção da Máquina ou Equipamento seguindo a NR 12;
Relatório Técnico com ART da Máquina ou Equipamento conforme NR 12;
Tagueamento de Máquinas e Equipamentos;
RETROFIT – Processo de Modernização;
Checklist Diário;
Manutenções pontuais ou cíclicas.

Complementos da Atividade:
Conscientização da Importância:
APR (Análise Preliminar de Riscos);
PAE (Plano de Ação de Emergência;
PGR (Plano de Gerenciamento de Riscos);
Compreensão da necessidade da Equipe de Resgate;
A Importância do conhecimento da tarefa;
Prevenção de acidentes e noções de primeiros socorros;
Proteção contra incêndios;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança;
Fator medo;
Como descobrir o jeito mais rápido e fácil para desenvolver Habilidades;
Como controlar a mente enquanto trabalha;
Como administrar e gerenciar o tempo de trabalho;
Porque equilibrar a energia durante a atividade afim de obter produtividade;
Consequências da Habituação do Risco;
Causas de acidente de trabalho;
Noções sobre Árvore de Causas;
Noções sobre Árvore de Falhas;
Entendimentos sobre Ergonomia;
Análise de Posto de Trabalho;
Riscos Ergonômicos;
Padrão de Comunicação e Perigo (HCS (Hazard Communiccation Standard) – OSHA;

Exercícios Práticos:
Registro das Evidências;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes

Referencias Normativas

Referências Normativas (Fontes) aos dispositivos aplicáveis, suas atualizações e substituições até a presente data:
NR 07 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO;
NR 09 – Avaliação e Controle das Exposições Ocupacionais a Agentes Físicos, Químicos e Biológicos;
ABNT NBR 5426 – Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos;
ABNT NBR 10719 – Informação e documentação – Relatório técnico e/ou científico – Apresentação;
ABNT NBR 16746 – Segurança de máquinas – Manual de Instruções – Princípios gerais de elaboração;
NBR ISO 13850 – Segurança de Máquinas – Função de parada de emergência – Princípios para projeto;
ABNT ISO/TR 14121-2 – Segurança de máquinas – Apreciação de riscos;
ABNT NBR 14277 – Instalações e equipamentos para treinamento de combate a incêndio – Requisitos;
NBRISO/IEC27557 – Segurança da Informação, segurança cibernética e proteção da privacidade;
ABNT NBR ISO 31000 – Gestão de riscos de privacidade organizacional;
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso;
Target Normas;
Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT;
Outras Normas Técnicas Aplicáveis.
Nota: Este Serviço atende exclusivamente as exigências da MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) quando se tratar de atendimento a outros Órgãos, informe no ato da solicitação.

Carga horária e Atualização

Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes

Definições e Condições gerais;
Etapas de Procedimentos Preliminares;
Investigações geológico-geotécnicas;
Procedimentos preliminares;
Investigações do terreno; Projeto;
Execução de obras;
DHP (Designar Dreno Subhorizontal Profundo)
Acompanhamento e Encosta;
Manutenção, Fatores de Segurança;
Monitoramento; Ruptura de um Talude;
Amostragem e Planejamento;
Acondicionamento e transporte;
Investigações em laboratório;
Levantamento de taludes rochosos
Vida útil operacional;
Parâmetros ambientais (área ocupada e desmatamento);
Instalação de equipamentos (se aplicável);
Análise de risco conforme NBR 11682 :2009
Proteção contra intempéries;
Possíveis interferências operacionais;
Critérios de segurança de tráfego;
Plano, periodicidade de inspeção e monitoramento do talude.

Complementos para Máquinas e Equipamentos quando for o caso:
Conscientização da Importância:
Manual de Instrução de Operação da Máquina ou Equipamento;
Plano de Inspeção e Manutenção da Máquina ou Equipamento seguindo a NR 12;
Relatório Técnico com ART da Máquina ou Equipamento conforme NR 12;
Tagueamento de Máquinas e Equipamentos;
RETROFIT – Processo de Modernização;
Checklist Diário;
Manutenções pontuais ou cíclicas.

Complementos da Atividade:
Conscientização da Importância:
APR (Análise Preliminar de Riscos);
PAE (Plano de Ação de Emergência;
PGR (Plano de Gerenciamento de Riscos);
Compreensão da necessidade da Equipe de Resgate;
A Importância do conhecimento da tarefa;
Prevenção de acidentes e noções de primeiros socorros;
Proteção contra incêndios;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança;
Fator medo;
Como descobrir o jeito mais rápido e fácil para desenvolver Habilidades;
Como controlar a mente enquanto trabalha;
Como administrar e gerenciar o tempo de trabalho;
Porque equilibrar a energia durante a atividade afim de obter produtividade;
Consequências da Habituação do Risco;
Causas de acidente de trabalho;
Noções sobre Árvore de Causas;
Noções sobre Árvore de Falhas;
Entendimentos sobre Ergonomia;
Análise de Posto de Trabalho;
Riscos Ergonômicos;
Padrão de Comunicação e Perigo (HCS (Hazard Communiccation Standard) – OSHA;

Exercícios Práticos:
Registro das Evidências;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes

Validade

Validade do Laudo:

Laudo de Prensas e Máquinas Similares NR 12:

Validade das Inspeções: ANUAL exceto se ocorrer quaisquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, finalidades, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de nova Inspeção;
d) mudança de empresa;
e) troca de máquina ou equipamento.
Será emitido Laudo Técnico por Profissionais Legalmente Habilitados Perito e Engenheiro de Segurança do Trabalho com ART;

Os Equipamentos utilizados possuem Atestado de Aferição vigente e demais equipamentos são analógicos.

Laudo de Prensas e Máquinas Similares NR 12:

Serviços adicionais para o parque maquinário:
Elaboração do Prontuário da NR 12

Procedimentos e Documentos necessários para operação de Máquinas e Equipamentos Autopropelidos e Guindar:
ASO (Atestado de Saúde Ocupacional, com indicação para operação dentro da validade);
Cópia da carteira de trabalho (Página foto; Qualificação civil e Contrato de trabalho);
Ficha de registro e controle de entrega de EPI;
Cópia do contrato de prestação de serviço;
CNH Categoria E,D ou C do colaborador;
Certificado de Capacitação e Atualização específica da máquina ou equipamento, carteira de identificação;
Laudo de Inspeção Técnica da Máquina ou Equipamento;
Laudos das cintas de içamento, cabos de aço e correntes quando for o caso;
ART de liberação do equipamento;
Manual de Instruções Técnicas do equipamento;

Atenção:
NR-12.1.16 Os equipamentos de guindar que receberem cestos acoplados para elevação de pessoas devem ser submetidos a ensaios e inspeções periódicas de forma a garantir seu bom funcionamento e sua integridade estrutural.
12.1.16.1 Devem ser realizados ensaios que comprovem a integridade estrutural, tais como ultrassom e/ou emissão acústica, conforme norma ABNT NBR 14768:2015.
12.3.17 É proibida a movimentação de cargas suspensas no gancho do equipamento de guindar simultaneamente à movimentação de pessoas dentro do cesto acoplado.

Causas do Acidente Trabalho:
Falta de cuidados do empregado;
Falta de alerta do empregador;
Mesmo efetuando todos os Treinamentos e Laudos obrigatórios de Segurança e Saúde do Trabalho em caso de acidente de trabalho o empregador estará sujeito a Processos tipo:
1- Inquérito Policial – Polícia Civil;
2- Perícia através Instituto Criminalista;
3- Procedimento de Apuração junto Delegacia Regional do Trabalho;
4- Inquérito Civil Público perante o Ministério Público do trabalho para verificação se os demais trabalhadores não estão correndo perigo;
5- O INSS questionará a causa do acidente que poderia ser evitado e se negar a efetuar o pagamento do benefício ao empregado;
6- Familiares poderão ingressar com Processo na Justiça do Trabalho pleiteando danos Morais, Materiais, Luxação, etc.;
7- Tsunami Processuais obrigando o Empregador a gerar Estratégia de Defesas mesmo estando certo;
8- Apesar da Lei da Delegação Trabalhista não prever que se aplica a “culpa en vigilando”, mas, apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinamento.;
9- Não prever que se aplica a culpa em “culpa en vigilando” ao Empregador mas apenas a responsabilidade de entregar o equipamento de treinar, vale frisar que o Empregador também fica responsável em vigiar;
10- Quando ocorre um acidente além de destruir todo o “bom humor” das relações entre os empregados ou também o gravíssimo problema de se defender de uma série de procedimento ao mesmo tempo, então vale a pena investir nesta prevenção.
Salientamos que o empregado não pode exercer atividades expostos a riscos que possam comprometer sua segurança e saúde.
Sendo assim podem responder nas esferas criminal e civil, aqueles expõem os trabalhadores a tais riscos.

Complementos

Cabe a Contratante fornecer quando for o caso:
Fornecer os meios, Projetos arquitetônicos em Arquivo DWG ou PDF;
Projeto Arquitetônico da Empresa que efetuará ou efetuou a instalação e contato com os mesmos.
Lista de todos os equipamentos elétricos e eletrônicos contidos nas áreas com marca, potência modelo, tipo e temperatura;
Se tiver inflamáveis e/ou combustíveis armazenados com mais 200 litros no total torna-se obrigatório fazer o Prontuário da NR-20.
Demais documentos e procedimentos necessários previstos antes ou depois da  Inspeção técnica.

NÃO estão inclusos no Escopo do Serviço:
1. Elaboração de Projeto de Arquitetônico;*
2. Elaboração de Projeto de Instalação;*
3. Elaboração do Memorial de Cálculo*
4. Elaboração de Memorial de Cálculo de Suporte;*
5. Elaboração de Manual de Instrução Técnica Operacional e de Manutenção;*
* (Consultar valor)

O que são Células de Carga?
As células de carga são medidores de deformação ou flexão de um corpo, transformando grandeza física, ou seja, uma força, em um sinal elétrico. Utilizadas na análise experimental de esforços e na medição elétrica da resistência à tensão, essas células são empregadas na maioria das aplicações industriais.

Cabe a Contratante fornecer :
Procedimentos da Inspeção quando for o caso e se envolver Estruturas:
Importante: Serão realizados Teste de Solda e Sistema de Líquido Penetrante no equipamento e nas peças que contenham pontos de solda;
01- Os pontos que contém solda no decorrer da peça (Inclusive quando tiver braço articulado e apoio de cesto acoplado) deverão estar devidamente decapados, sem nenhum tipo de resíduos tais como tintas, vernizes, colas ou qualquer tipo de sujidades ou resíduos de óleo, graxa etc;
02- Passar STRIPTIZI GEL em todas as bases do Equipamento e peças de apoio, limpar bem e passar pano (não deixar nenhuma sujidade);
03- Se tiver Lanças automáticas ou lança manual, lixar solda da frente;
04- Se Contratado Execução de TESTE DE CARGA cabe a Contratante disponibilizar CÉLULAS DE CARGA ou compartimento para teste de carga (tipo big bag, cintas novas calibradas INMETRO, balança, tarugos de metal calibrado ou sacos de areia pesados equivalente até 125% que o equipamento suporta e fornecer Declaração de Responsabilidade  referente a Capacidade do Equipamento.
Se Contratado ENSAIOS ELÉTRICOS em Cesto acoplado de preferência com Placa de Identificação, o mesmo  deverá estar no nível do solo juntamente com Laudo de Fabricação de aparelhos que tiver para sabermos quantos Volts suporta.

Documentos necessários para Equipamentos de Içamento
a) Arts do Pórtico com os últimos 3 laudos, incluindo a ART com Memorial de Cálculo do Projeto Inicial do Pórtico;
b) Memoriais de Cálculo de Dimensionamento da Talha atual X pórtico com ART;
c) Memoriais de cálculo de carga do moitão da talha e dos cabos de aço com ART;
d) ART da Montagem da Talha com Memorial de Cálculo Estrutural;
e) Todas as soldas constantes no pórtico deverão estar sem tintas ou resíduos e também não deverão estar lixadas, bem como o moitão e o gancho da talha;
f) O setor deve ficar interditado até segunda ordem para os testes;
g) Deverá ter uma carga disponível com uma balança calibrada e com Laudo da capacidade e uma carga com 175%.
h) O Eng de segurança do trabalho em conjunto com o SESMT deverão emitir uma declaração de responsabilidade quanto ao teste de carga em caso de rompimento ou acidente com um de nossos colaboradores;
i) Todos os Sistemas Elétricos deverão estar desativados com sistema Power Lockout;
Serão utilizados os sistemas de líquido penetrante e líquido revelador nas soldas o que poderá intoxicar quaisquer alimentos presentes.
j) O Teste de Carga será realizado conforme norma da ABNT desde que autorizado e declarado pelos responsáveis a inteira responsabilidade por quaisquer questões que ocorram com nossos colaboradores durante o teste. Sendo este executado em 1 hora com carga a 100% da carga talha e mais uma hora com 125% da carga talha.
l) Observe-se que, se não houverem as documentações solicitadas, que a empresa declare que não há via e-mail.

Plano de Inspeção e Manutenção do Equipamento é obrigatório conforme previsto na NR 12.

A justificativa da relação Preço e Valor:
A precificação de qualquer serviço exige expertise relacionada ao mundo dos negócios e o conceito de Valor é qualitativo, diretamente ligado ao potencial de transformação existente naquele conteúdo. O serviço tem mais valor quando tem conhecimento e segredos profissionais agregados e o preço é uma variável consequente do valor, cujo objetivo é transmiti-lo em números. Assim, quanto maior for o valor agregado ao conteúdo, maior será o seu preço justo. Portanto, não autorizamos a utilização de nossas Propostas como contraprova de fechamento com terceiros de menor preço, ou de interesse secundário, Qualidade, Segurança, Eficiência e Excelência, em todos os sentidos, são os nossos valores.

Saiba Mais

Saiba Mais: Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes

3 Termos e definições
Para os efeitos deste documento, aplicam-se os seguintes termos e definições.
3.1 alongãmetro tell-tales dispositivo para medição de deslocamentos, constando de haste ou fio tencionado protegido por revestimento. instalado em qualquer direção. fixado em profundidade, cuja extremidade serve de referência de medição de deslocamentos relativos entre a parte fixada em profundidade e o local de instalação da extremidade oposta
3.2 BM – bench mark sigla para designar referência fixa. constituída por haste vertical chumbada no terreno em profundidade, em região livre de movimentos, e protegida por tubo ao longo de todo o seu comprimento. Na extremidade superior da haste. é instalado dispositivo para referência de nível topográfico de precisão
3.3 chumbador elemento estrutural, em geral uma barra de aço. introduzido em furo aberto no maciço rochoso, ao qual se fixa por calda efou argamassa de cimento, e/ou epáxi, e/ou por dispositivo mecânico. A extremidade externa da barra é fixada ao elemento (por exemplo: muro de concreto, lasca de rocha etc.) que se pretende fixar à superfície rochosa. O chumbador não é protendido. sendo assim um elemento passivo. E restrito à aplicação em rocha
3.4 DHP sigla para designar dreno subhorizontal profundo
3.5 encosta talude de origem natural
3.6 fator de segurança (em relação à resistência ao cisalhamento do solo) valor da razão entre a resistência (tensão cisalhante máxima disponivel) e a resistência mobilizada (tensão cisalhante atuante ao longo da superfície de ruptura
3-7 geossintefico produto sintético aplicado a obras geotécnicas e de proteção ambiental
3.8 geotéxteis produto téxtil permeável utilizado predominantemente em engenharia geotécnica exercendo funções de drenagem, filtração. reforço. separação e proteção
3.9 geotubo elemento em forma tubular, com abertura ao longo da seção longitudinal, constituido de material sintético com a finalidade de captar/retirar água do interior do terreno
3.10 grampo elemento de reforço do terreno, constituido de perfuração preenchida com calda de cimento, ou argamassa, compósito ou outro aglutinante. e elemento resistente à tração/cisalhamento. Tem a finalidade de distribuir cargas ao longo de todo o seu comprimento. interagindo com o terreno circunvizinho, podendo parte da carga mobilizada ser absorvida pela cabeça. A mobilização de carga no grampo é induzida pela deformação do terreno por pequena carga aplicada na extremidade externa. Diferem dos tirantes. conforme descrito na ABNT NBR 5629. por não apresentarem trecho livre e serem passivos
3.11 inclinómetro instrumento que serve para medir deslocamentos horizontais dentro do terreno. em profundidade e a progressão de movimentos de uma encosta
3.12 medidor de nível d’água dispositivo para medição do nivel do lençol freático. O local de medição deve estar em contato com a pressão atmosférica
3.13 modelo geológico-geotécnico representação, por meio de seções, de vistas e/ou de blocos-diagramas, das características geológicas e geotécnicas básicas do subsolo. assim como da superfície do trecho que interessa ao estudo de estabilidade do talude ou da encosta
3.14 piezômetro dispositivo de medição de pressão hidrostática (ou poro-pressão) no interior do terreno. O local de medição deve ser isolado de qualquer possibilidade de contato com a pressão atmosférica ou com outra camada do terreno diferente daquela onde se deseja fazer a medição
3.15 retaludamento obra de mudança da inclinação e/ou da altura de um talude, objetivando melhorar suas condições de estabilidade
3.16 ruptura de um talude modificação da geometria do talude ocasionada por escorregamento ao longo de urna superfície ou zona de concentração de deformações cisalhantes ou por deformações excessivas que afetem obras de engenharia
3.17 sub•horizontal plano ou reta pouco inclinados em relação à horizontal
3.18 subvertical plano ou reta pouco inclinados em relação à vertical
3.19 subsidência afundamento de uma área ou superfície do terreno em relação à sua situação original
3.20 talude terreno inclinado
3.21 tirante injetado peças especialmente montadas, tendo como componente principal um ou mais elementos resistentes à tração. que são introduzidos no terreno em perfuração própria, nas quais, por meio de injeção de calda de cimento (ou outro aglutinante) em parte dos elementos, forma um bulbo de ancoragem que é ligado à estrutura através do elemento resistente á tração e da cabeça do tirante
3.22 velocidade residual velocidade dos deslocamentos do talude ou de partes dele após a implantação de obras de estabilização
3.23 retroanálise análise de estabilidade elaborada com o conhecimento da geometria da superfície de ruptura ocorrida e outros fatores que estavam presentes no momento da ruptura. como sobrecargas, posição do nivel de água, sismos e outros, visando determinar os parâmetros de resistência e poro-pressão coerentes com o problema
3.24 terminologia tipos de movimentos de massa, elementos de caracterização e dimensões envolvidas nas situações de escorregamento
4 Condições gerais
Esta Norma especifica os estudos relativos à estabilidade de encostas e às minorações dos efeitos de sua instabilidade em áreas especificas prEefinidas, objetivando a definição das intervenções a serem analisadas e discriminando os procedimentos indicados a seguir na elaboração de estudos e projetos. na execução de obras ou serviços de implantação, no acompanhamento destes e na manutenção de tais obras ou serviços. Esta Norma prescreve condições especificas. para estudos e para obras em talude individuais
Tendo em vista que a área de estudo pode ser influenciada por fatores externos e mais abrangentes e/ou legais. tais condicionantes devem ser considerados e analisados. antes do estudo especifico para o local.
No caso de obras lineares, tais como estradas. ferrovias. dutovias e outras, os estudos e projetos devem levar em conta a geologia e geomorfologia ao longo do traçado, direção e mergulho das rochas, presença de colõvios e outras situações críticas. As investigações devem ser definidas pelo projetista. caracterizando os taludes específicos nos quais devem ser realizados os estudos individualizados prescritos nesta Norma. Os projetos devem obrigatoriamente prever drenagem e proteção contra erosão em todos os taludes de corte e aterro.
Esta Norma define as prescrições relativas à estabilidade de encostas em áreas especificas, segundo uma organização cronológica (etapas) caracterizada nos itens a seguir e detalhados posteriormente.
4.1 Etapa de procedimentos preliminares
Os procedimentos preliminares indicados nesta Norma são de caráter obrigatório e visam ao conhecimento das características do local, à consulta a mapas e levantamentos disponíveis, à verificação de restrições legais e ambientais, à elaboração de laudo de vistoria (Anexo C). à avaliação da necessidade de implantação de medidas emergenciais e à programação de investigações geológicas e geotécnicas. O detalhamento dos procedimentos preliminares obrigatórios é apresentado na Seção 5.
4.2 Etapa de investigações geológico-geotécnicas
Incluem investigações geológicas, geotécnicas, geomorfológicas, topográficas, geo-hidrológicas e outras.
Abrangem levantamentos locais, coleta de dados. ensaios in situ e em laboratório, bem como o uso de instrumentação adequada para estabelecer um modelo geológico-geotécnico.
As investigações de cunho obrigatório são definidas na Seção 6.
Fonte: NBR 11682.

Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes: Consulte-nos.

Conteúdo Programático

Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes

Definições e Condições gerais;
Etapas de Procedimentos Preliminares;
Investigações geológico-geotécnicas;
Procedimentos preliminares;
Investigações do terreno; Projeto;
Execução de obras;
DHP (Designar Dreno Subhorizontal Profundo)
Acompanhamento e Encosta;
Manutenção, Fatores de Segurança;
Monitoramento; Ruptura de um Talude;
Amostragem e Planejamento;
Acondicionamento e transporte;
Investigações em laboratório;
Levantamento de taludes rochosos
Vida útil operacional;
Parâmetros ambientais (área ocupada e desmatamento);
Instalação de equipamentos (se aplicável);
Análise de risco conforme NBR 11682 :2009
Proteção contra intempéries;
Possíveis interferências operacionais;
Critérios de segurança de tráfego;
Plano, periodicidade de inspeção e monitoramento do talude.

Complementos para Máquinas e Equipamentos quando for o caso:
Conscientização da Importância:
Manual de Instrução de Operação da Máquina ou Equipamento;
Plano de Inspeção e Manutenção da Máquina ou Equipamento seguindo a NR 12;
Relatório Técnico com ART da Máquina ou Equipamento conforme NR 12;
Tagueamento de Máquinas e Equipamentos;
RETROFIT – Processo de Modernização;
Checklist Diário;
Manutenções pontuais ou cíclicas.

Complementos da Atividade:
Conscientização da Importância:
APR (Análise Preliminar de Riscos);
PAE (Plano de Ação de Emergência;
PGR (Plano de Gerenciamento de Riscos);
Compreensão da necessidade da Equipe de Resgate;
A Importância do conhecimento da tarefa;
Prevenção de acidentes e noções de primeiros socorros;
Proteção contra incêndios;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança;
Fator medo;
Como descobrir o jeito mais rápido e fácil para desenvolver Habilidades;
Como controlar a mente enquanto trabalha;
Como administrar e gerenciar o tempo de trabalho;
Porque equilibrar a energia durante a atividade afim de obter produtividade;
Consequências da Habituação do Risco;
Causas de acidente de trabalho;
Noções sobre Árvore de Causas;
Noções sobre Árvore de Falhas;
Entendimentos sobre Ergonomia;
Análise de Posto de Trabalho;
Riscos Ergonômicos;
Padrão de Comunicação e Perigo (HCS (Hazard Communiccation Standard) – OSHA;

Exercícios Práticos:
Registro das Evidências;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

Curso NBR 11682 Projeto, Execução de Taludes