Siga-nos

Mantenha-se atualizado com as notícias mais importantes

Ao clicar no botão Inscrever-se, você confirma que leu e concorda com nossos Política de Privacidade e Termos de Uso
Área do Aluno
Curso Ginástica Laboral Curso Ginástica Laboral
FONTE: FREEPIK AUT

Curso Ginástica Laboral

O intuito do Curso é aprimorar os conhecimentos dos participantes sobre os procedimentos de aplicação de ginástica laboral no ambiente ocupacional, de modo a maximizar o bem-estar do profissional e motivá-lo para que este sinta-se motivado a cumprir as tarefas as quais foram designadas.
Nome Técnico: Curso Aprimoramento de Ginástica Laboral

Referência: 84335

Ministramos Cursos e Treinamentos; Realizamos Traduções e Versões em Idioma Técnico: Português, Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Mandarim, Alemão, Russo, Sueco, Holandês, Hindi, Japonês e outros consultar.

Curso Ginástica Laboral
O intuito do Curso é aprimorar os conhecimentos dos participantes sobre os procedimentos de aplicação de ginástica laboral no ambiente ocupacional, de modo a maximizar o bem-estar do profissional e motivá-lo para que este sinta-se motivado a cumprir as tarefas as quais foram designadas.

O que é Ginástica Laboral?
Série de movimentos similares à ginástica aplicados a um determinado público em ambiente ocupacional, seja em um setor ou escritório, com intuito de relaxar os profissionais da tensão de trabalho diária e otimizar os resultados alcançados, ao motivá-los à cumprir as tarefas.

Quais os benefícios da ginástica laboral?
Essa prática pode trazer diversos benefícios para as empresas, tais como:
Melhoria da saúde dos colaboradores: A ginástica laboral pode ajudar a prevenir doenças ocupacionais relacionadas à postura inadequada, sedentarismo e movimentos repetitivos, o que pode levar a uma redução do absenteísmo e aumento da produtividade.
Aumento da motivação e engajamento dos colaboradores: Ao oferecer a ginástica laboral como um benefício aos colaboradores, a empresa demonstra preocupação com a saúde e bem-estar de sua equipe, o que pode aumentar a motivação e engajamento dos funcionários em relação ao trabalho.
Redução de acidentes de trabalho: A prática regular de exercícios de ginástica laboral pode contribuir para a melhoria do condicionamento físico dos colaboradores, o que pode reduzir o risco de acidentes de trabalho causados por fadiga, falta de concentração e fraqueza muscular.
Melhoria do clima organizacional: A ginástica laboral pode ajudar a criar um clima organizacional mais positivo, promovendo a interação entre os colaboradores, reduzindo o estresse e melhorando o relacionamento entre os colegas de trabalho.
Aumento da qualidade de vida dos colaboradores: A prática regular de exercícios físicos pode contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos colaboradores, ajudando a reduzir o estresse, melhorar a disposição física e mental, e promover uma vida mais saudável e equilibrada.
Retenção de talentos: Oferecer a ginástica laboral como um benefício pode ser um diferencial na atração e retenção de talentos, pois demonstra o cuidado da empresa com o bem-estar dos colaboradores e pode torná-la mais atrativa para profissionais em busca de um ambiente de trabalho saudável.

Carga horária: 16 Horas Pré-Requisito: Alfabetização

Conteudo Programatico Normativo

Curso Ginástica Laboral

Recomendações; Introdução;
Procedimento de avaliação;  
Determinação de posturas de trabalho;
Postura do tronco; Passo 1  Passo 2;
Postura da cabeça; Passo 1  Passo 2;
Postura da extremidade superior;
Postura do ombro e do braço;
Postura do antebraço e da mão;
Postura da extremidade inferior;
Determinação das posturas de trabalho;
Inclinação do tronco, inclinação da cabeça e flexão/extensão do pescoço;
Elevação do braço; Posições extremas das articulações;
Avaliação do período de tempo de sustentação/recuperação;
Avaliação dos períodos de tempo de sustentação/recuperação com base em dados de resistência;
Postura do tronco (rotação axial/flexão lateral do toráx versus pélvis);
Inclinação do tronco  Postura retificada da coluna lombar;
Tempo máximo aceitável de sustentação versus inclinação do tronco;
Postura do pescoço (rotação axial/flexão lateral da cabeça versus tórax);   
Inclinação de cabeça; Tempo máximo aceitável de sustentação versus inclinação da cabeça;
Postura de ombro e braço; Abdução do braço;  
Tempo máximo aceitável de sustentação versus abdução do braço;
Postura do antebraço e da mão; Postura dos membros inferiores;
Determinação da inclinação da cabeça e do tronco;
Determinação da elevação do braço;
Efeitos de três períodos de tempo de sustentação/tempo de recuperação sobre capacidade de resistência remanescente (REC);  
Postura do tronco; Tempo de sustentação para inclinação do tronco;
Postura da cabeça; Tempo de sustentação para inclinação da cabeça;
Postura do ombro e do braço; Tempo ativo para abdução do braço;
Postura do antebraço e da mão; Postura dos membros inferiores;
Indicações dos limites de amplitude do movimento das articulações;
Aplicação dos métodos de relaxamento dos profissionais;
Limites de aplicação segura de exercícios;
Atividade física leve e de baixo impacto;
Tempo de duração dos exercícios;
Conceitos de limites fisiológicos variáveis do corpo humano;
Aumento da qualidade de vida dos colaboradores;
Materiais e recursos didáticos; Condição fisiológica;
Frequência de aplicação dos exercícios;
Precisão técnica; Motivação através de atividades lúdicas;
Conceitos de relaxamento físico e mental;
Diminuir o stress e as doenças ocupacionais além de melhorar o clima organizacional;
Dinamismo nos exercícios; Procedimentos Ocupacionais;
Controle de Resultados e Gestão; Preparação para a jornada de trabalho;
Compensação de posturas estáticas e movimentos repetitivos;
Trabalho em alongamento, relaxamento, aquecimento, coordenação motora e equilíbrio.
Fonte:  NBR 11226

Complementos da Atividade – Conscientização da Importância:
APR (Análise Preliminar de Riscos);
PE (Plano de Emergência);
PGR (Plano de Gerenciamento de Riscos);
GRO (Gerenciamento de Riscos Ocupacionais);
Compreensão da necessidade da Equipe de Resgate – NBR 16710;
A Importância do conhecimento da tarefa;
Prevenção de acidentes e noções de primeiros socorros;
Proteção contra incêndios – NBR 14276;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança: Fator medo;
Como descobrir o jeito mais rápido e fácil para desenvolver Habilidades;
Como controlar a mente enquanto trabalha;
Como administrar e gerenciar o tempo de trabalho;
Porque equilibrar a energia durante a atividade a fim de obter produtividade;
Consequências da Habituação do Risco;
Causas de acidente de trabalho;
Noções sobre Árvore de Causas;
Entendimentos sobre Ergonomia, Análise de Posto de Trabalho e Riscos Ergonômicos.

Noções básicas de:
HAZCOM – Hazard Communication Standard (Padrão de Comunicação de Perigo);
HAZMAT – Hazardous Materials (Materiais Perigosos);
HAZWOPER – Hazardous Waste Operations and Emergency Response (Operações de Resíduos Operações Perigosas e Resposta a Emergências);
Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) – ISO 45001;
FMEA – Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha);
SFMEA – Service Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de serviços);
PFMEA – Process of Failure Mode and Effects Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Processos);
DFMEA – Design Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Design);
Análise de modos, efeitos e criticidade de falha (FMECA);
Ferramenta Bow Tie (Análise do Processo de Gerenciamento de Riscos);
Ferramenta de Análise de Acidentes – Método TRIPOD;
Padrão de Comunicação e Perigo (HCS (Hazard Communication Standard) – OSHA.

Exercícios Práticos:
Registro das Evidências;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

NOTA:
Ressaltamos que o Conteúdo Programático Geral do Curso ou Treinamento poderá ser alterado, atualizado, acrescentando ou excluindo itens conforme necessário pela nossa Equipe Multidisciplinar.
É facultado à nossa Equipe Multidisciplinar atualizar, adequar, alterar e/ou excluir itens, bem como a inserção ou exclusão de Normas, Leis, Decretos ou parâmetros técnicos que julgarem aplicáveis, estando relacionados ou não, ficando a Contratante responsável por efetuar os devidos atendimentos no que dispõem as Legislações pertinentes.

Referencias Normativas

Referências Normativas (Fontes) aos dispositivos aplicáveis, suas atualizações e substituições até a presente data:
NR 07 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO;
NR 09 – Avaliação e Controle das Exposições Ocupacionais a Agentes Físicos, Químicos e Biológicos;
ABNT NBR 5426 – Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos;
ABNT NBR 10719 – Informação e documentação – Relatório técnico e/ou científico – Apresentação;
ABNT NBR 16746 – Segurança de máquinas – Manual de Instruções – Princípios gerais de elaboração;
NBR ISO 13850 – Segurança de Máquinas – Função de parada de emergência – Princípios para projeto;
ABNT ISO/TR 14121-2 – Segurança de máquinas – Apreciação de riscos;
ABNT NBR 14277 – Instalações e equipamentos para treinamento de combate a incêndio – Requisitos;
NBRISO/IEC27557 – Segurança da Informação, segurança cibernética e proteção da privacidade;
ABNT NBR ISO 31000 – Gestão de riscos de privacidade organizacional;
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso;
Target Normas;
Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT;
Outras Normas Técnicas Aplicáveis.
Nota: Este Serviço atende exclusivamente as exigências da MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) quando se tratar de atendimento a outros Órgãos, informe no ato da solicitação.

Carga horária e Atualização

Curso Ginástica Laboral

Recomendações; Introdução;
Procedimento de avaliação;  
Determinação de posturas de trabalho;
Postura do tronco; Passo 1  Passo 2;
Postura da cabeça; Passo 1  Passo 2;
Postura da extremidade superior;
Postura do ombro e do braço;
Postura do antebraço e da mão;
Postura da extremidade inferior;
Determinação das posturas de trabalho;
Inclinação do tronco, inclinação da cabeça e flexão/extensão do pescoço;
Elevação do braço; Posições extremas das articulações;
Avaliação do período de tempo de sustentação/recuperação;
Avaliação dos períodos de tempo de sustentação/recuperação com base em dados de resistência;
Postura do tronco (rotação axial/flexão lateral do toráx versus pélvis);
Inclinação do tronco  Postura retificada da coluna lombar;
Tempo máximo aceitável de sustentação versus inclinação do tronco;
Postura do pescoço (rotação axial/flexão lateral da cabeça versus tórax);   
Inclinação de cabeça; Tempo máximo aceitável de sustentação versus inclinação da cabeça;
Postura de ombro e braço; Abdução do braço;  
Tempo máximo aceitável de sustentação versus abdução do braço;
Postura do antebraço e da mão; Postura dos membros inferiores;
Determinação da inclinação da cabeça e do tronco;
Determinação da elevação do braço;
Efeitos de três períodos de tempo de sustentação/tempo de recuperação sobre capacidade de resistência remanescente (REC);  
Postura do tronco; Tempo de sustentação para inclinação do tronco;
Postura da cabeça; Tempo de sustentação para inclinação da cabeça;
Postura do ombro e do braço; Tempo ativo para abdução do braço;
Postura do antebraço e da mão; Postura dos membros inferiores;
Indicações dos limites de amplitude do movimento das articulações;
Aplicação dos métodos de relaxamento dos profissionais;
Limites de aplicação segura de exercícios;
Atividade física leve e de baixo impacto;
Tempo de duração dos exercícios;
Conceitos de limites fisiológicos variáveis do corpo humano;
Aumento da qualidade de vida dos colaboradores;
Materiais e recursos didáticos; Condição fisiológica;
Frequência de aplicação dos exercícios;
Precisão técnica; Motivação através de atividades lúdicas;
Conceitos de relaxamento físico e mental;
Diminuir o stress e as doenças ocupacionais além de melhorar o clima organizacional;
Dinamismo nos exercícios; Procedimentos Ocupacionais;
Controle de Resultados e Gestão; Preparação para a jornada de trabalho;
Compensação de posturas estáticas e movimentos repetitivos;
Trabalho em alongamento, relaxamento, aquecimento, coordenação motora e equilíbrio.
Fonte:  NBR 11226

Complementos da Atividade – Conscientização da Importância:
APR (Análise Preliminar de Riscos);
PE (Plano de Emergência);
PGR (Plano de Gerenciamento de Riscos);
GRO (Gerenciamento de Riscos Ocupacionais);
Compreensão da necessidade da Equipe de Resgate – NBR 16710;
A Importância do conhecimento da tarefa;
Prevenção de acidentes e noções de primeiros socorros;
Proteção contra incêndios – NBR 14276;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança: Fator medo;
Como descobrir o jeito mais rápido e fácil para desenvolver Habilidades;
Como controlar a mente enquanto trabalha;
Como administrar e gerenciar o tempo de trabalho;
Porque equilibrar a energia durante a atividade a fim de obter produtividade;
Consequências da Habituação do Risco;
Causas de acidente de trabalho;
Noções sobre Árvore de Causas;
Entendimentos sobre Ergonomia, Análise de Posto de Trabalho e Riscos Ergonômicos.

Noções básicas de:
HAZCOM – Hazard Communication Standard (Padrão de Comunicação de Perigo);
HAZMAT – Hazardous Materials (Materiais Perigosos);
HAZWOPER – Hazardous Waste Operations and Emergency Response (Operações de Resíduos Operações Perigosas e Resposta a Emergências);
Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) – ISO 45001;
FMEA – Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha);
SFMEA – Service Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de serviços);
PFMEA – Process of Failure Mode and Effects Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Processos);
DFMEA – Design Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Design);
Análise de modos, efeitos e criticidade de falha (FMECA);
Ferramenta Bow Tie (Análise do Processo de Gerenciamento de Riscos);
Ferramenta de Análise de Acidentes – Método TRIPOD;
Padrão de Comunicação e Perigo (HCS (Hazard Communication Standard) – OSHA.

Exercícios Práticos:
Registro das Evidências;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

NOTA:
Ressaltamos que o Conteúdo Programático Geral do Curso ou Treinamento poderá ser alterado, atualizado, acrescentando ou excluindo itens conforme necessário pela nossa Equipe Multidisciplinar.
É facultado à nossa Equipe Multidisciplinar atualizar, adequar, alterar e/ou excluir itens, bem como a inserção ou exclusão de Normas, Leis, Decretos ou parâmetros técnicos que julgarem aplicáveis, estando relacionados ou não, ficando a Contratante responsável por efetuar os devidos atendimentos no que dispõem as Legislações pertinentes.

Validade

Curso Aprimoramento Sobre a Aplicação da Norma de Ginástica Laboral

Validade das Inspeções: ANUAL exceto se ocorrer quaisquer das seguintes situações:
a) mudança nos procedimentos, finalidades, condições ou operações de trabalho;
b) evento que indique a necessidade de nova Inspeção;
c) mudança de empresa;
Será emitido Documento Técnico por Profissionais Legalmente Habilitados Perito e Engenheiro de Segurança do Trabalho com ART;

Os Equipamentos utilizados possuem Atestado de Aferição vigente e demais equipamentos são analógicos.

Complementos

Cabe a Contratante fornecer quando for o caso:
Fornecer os meios, Projetos arquitetônicos em Arquivo DWG ou PDF;
Projeto Arquitetônico da Empresa que efetuará ou efetuou a instalação e contato com os mesmos.
Lista de todos os equipamentos elétricos e eletrônicos contidos nas áreas com marca, potência modelo, tipo e temperatura;
Se tiver inflamáveis e/ou combustíveis armazenados com mais 200 litros no total torna-se obrigatório fazer o Prontuário da NR-20.
Demais documentos e procedimentos necessários previstos antes ou depois da  Inspeção técnica.

NÃO estão inclusos no Escopo do Serviço:
1. Elaboração de Projeto de Arquitetônico;*
2. Elaboração de Projeto de Instalação;*
3. Elaboração do Memorial de Cálculo*
4. Elaboração de Memorial de Cálculo de Suporte;*
5. Elaboração de Manual de Instrução Técnica Operacional e de Manutenção;*
* (Consultar valor)

O que são Células de Carga?
As células de carga são medidores de deformação ou flexão de um corpo, transformando grandeza física, ou seja, uma força, em um sinal elétrico. Utilizadas na análise experimental de esforços e na medição elétrica da resistência à tensão, essas células são empregadas na maioria das aplicações industriais.

Cabe a Contratante fornecer :
Procedimentos da Inspeção quando for o caso e se envolver Estruturas:
Importante: Serão realizados Teste de Solda e Sistema de Líquido Penetrante no equipamento e nas peças que contenham pontos de solda;
01- Os pontos que contém solda no decorrer da peça (Inclusive quando tiver braço articulado e apoio de cesto acoplado) deverão estar devidamente decapados, sem nenhum tipo de resíduos tais como tintas, vernizes, colas ou qualquer tipo de sujidades ou resíduos de óleo, graxa etc;
02- Passar STRIPTIZI GEL em todas as bases do Equipamento e peças de apoio, limpar bem e passar pano (não deixar nenhuma sujidade);
03- Se tiver Lanças automáticas ou lança manual, lixar solda da frente;
04- Se Contratado Execução de TESTE DE CARGA cabe a Contratante disponibilizar CÉLULAS DE CARGA ou compartimento para teste de carga (tipo big bag, cintas novas calibradas INMETRO, balança, tarugos de metal calibrado ou sacos de areia pesados equivalente até 125% que o equipamento suporta e fornecer Declaração de Responsabilidade  referente a Capacidade do Equipamento.
Se Contratado ENSAIOS ELÉTRICOS em Cesto acoplado de preferência com Placa de Identificação, o mesmo  deverá estar no nível do solo juntamente com Laudo de Fabricação de aparelhos que tiver para sabermos quantos Volts suporta.

Documentos necessários para Equipamentos de Içamento
a) Arts do Pórtico com os últimos 3 laudos, incluindo a ART com Memorial de Cálculo do Projeto Inicial do Pórtico;
b) Memoriais de Cálculo de Dimensionamento da Talha atual X pórtico com ART;
c) Memoriais de cálculo de carga do moitão da talha e dos cabos de aço com ART;
d) ART da Montagem da Talha com Memorial de Cálculo Estrutural;
e) Todas as soldas constantes no pórtico deverão estar sem tintas ou resíduos e também não deverão estar lixadas, bem como o moitão e o gancho da talha;
f) O setor deve ficar interditado até segunda ordem para os testes;
g) Deverá ter uma carga disponível com uma balança calibrada e com Laudo da capacidade e uma carga com 175%.
h) O Eng de segurança do trabalho em conjunto com o SESMT deverão emitir uma declaração de responsabilidade quanto ao teste de carga em caso de rompimento ou acidente com um de nossos colaboradores;
i) Todos os Sistemas Elétricos deverão estar desativados com sistema Power Lockout;
Serão utilizados os sistemas de líquido penetrante e líquido revelador nas soldas o que poderá intoxicar quaisquer alimentos presentes.
j) O Teste de Carga será realizado conforme norma da ABNT desde que autorizado e declarado pelos responsáveis a inteira responsabilidade por quaisquer questões que ocorram com nossos colaboradores durante o teste. Sendo este executado em 1 hora com carga a 100% da carga talha e mais uma hora com 125% da carga talha.
l) Observe-se que, se não houverem as documentações solicitadas, que a empresa declare que não há via e-mail.

Plano de Inspeção e Manutenção do Equipamento é obrigatório conforme previsto na NR 12.

A justificativa da relação Preço e Valor:
A precificação de qualquer serviço exige expertise relacionada ao mundo dos negócios e o conceito de Valor é qualitativo, diretamente ligado ao potencial de transformação existente naquele conteúdo. O serviço tem mais valor quando tem conhecimento e segredos profissionais agregados e o preço é uma variável consequente do valor, cujo objetivo é transmiti-lo em números. Assim, quanto maior for o valor agregado ao conteúdo, maior será o seu preço justo. Portanto, não autorizamos a utilização de nossas Propostas como contraprova de fechamento com terceiros de menor preço, ou de interesse secundário, Qualidade, Segurança, Eficiência e Excelência, em todos os sentidos, são os nossos valores.

Saiba Mais

Saiba Mais: Curso Ginástica Laboral

17.4 Organização do trabalho
17.4.1 A organização do trabalho, para efeito desta NR, deve levar em consideração:
a) as normas de produção;
b) o modo operatório, quando aplicável;
c) a exigência de tempo;
d) o ritmo de trabalho;
e) o conteúdo das tarefas e os instrumentos e meios técnicos disponíveis; e
f) os aspectos cognitivos que possam comprometer a segurança e a saúde do trabalhador.
17.4.2 Nas atividades que exijam sobrecarga muscular estática ou dinâmica do tronco, do pescoço, da cabeça, dos membros superiores e dos membros inferiores, devem ser adotadas medidas técnicas de engenharia, organizacionais e/ou administrativas, com o objetivo de eliminar ou reduzir essas sobrecargas, a partir da avaliação ergonômica preliminar ou da AET.
17.4.3 Devem ser implementadas medidas de prevenção, a partir da avaliação ergonômica preliminar ou da AET, que evitem que os trabalhadores, ao realizar suas atividades, sejam obrigados a efetuar de forma contínua e repetitiva:
a) posturas extremas ou nocivas do tronco, do pescoço, da cabeça, dos membros superiores e/ou dos membros inferiores;
b) movimentos bruscos de impacto dos membros superiores;
c) uso excessivo de força muscular;
d) frequência de movimentos dos membros superiores ou inferiores que possam comprometer a segurança e a saúde do trabalhador;
e) exposição a vibrações, nos termos do Anexo I da Norma Regulamentadora nº 09 – Avaliação e Controle das Exposições Ocupacionais a Agentes Físicos, Químicos e Biológicos; ou
f) exigência cognitiva que possa comprometer a segurança e saúde do trabalhador.
17.4.3.1 As medidas de prevenção devem incluir duas ou mais das seguintes alternativas:
a) pausas para propiciar a recuperação psicofisiológica dos trabalhadores, que devem ser computadas como tempo de trabalho efetivo;
b) alternância de atividades com outras tarefas que permitam variar as posturas, os grupos musculares utilizados ou o ritmo de trabalho;
c) alteração da forma de execução ou organização da tarefa; e
d) outras medidas técnicas aplicáveis, recomendadas na avaliação ergonômica preliminar ou na AET.
17.4.3.1.1 Quando não for possível adotar as alternativas previstas nas alíneas “c” e “d” do subitem 17.4.3.1, devem obrigatoriamente ser adotadas pausas e alternância de atividades previstas, respectivamente, nas alíneas “a” e “b” do subitem 17.4.3.1.
17.4.3.2 Para que as pausas possam propiciar descanso e recuperação psicofisiológica dos trabalhadores, devem ser observados os requisitos mínimos:
a) a introdução das pausas não pode ser acompanhada de aumento da cadência individual; e
b) as pausas devem ser usufruídas fora dos postos de trabalho.
17.4.3.3 Deve ser assegurada a saída dos postos de trabalho para satisfação das necessidades fisiológicas dos trabalhadores nos termos do item 24.9.8 da Norma Regulamentadora nº 24 (NR 24) – Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho, independentemente da fruição das pausas.
17.4.4 Todo e qualquer sistema de avaliação de desempenho para efeito de remuneração e vantagens de qualquer espécie deve levar em consideração as repercussões sobre a saúde dos trabalhadores.
17.4.5 A concepção dos postos de trabalho deve levar em consideração os fatores organizacionais e ambientais, a natureza da tarefa e das atividades e facilitar a alternância de posturas.
17.4.6 As dimensões dos espaços de trabalho e de circulação, inerentes à execução da tarefa, devem ser suficientes para que o trabalhador possa movimentar os segmentos corporais livremente, de maneira a facilitar o trabalho, reduzir o esforço do trabalhador e não exigir a adoção de posturas extremas ou nocivas.
17.4.7 Os superiores hierárquicos diretos dos trabalhadores devem ser orientados para buscar no exercício de suas atividades:
a) facilitar a compreensão das atribuições e responsabilidades de cada função;
b) manter aberto o diálogo de modo que os trabalhadores possam sanar dúvidas quanto ao exercício de suas atividades;
c) facilitar o trabalho em equipe; e
d) estimular tratamento justo e respeitoso nas relações pessoais no ambiente de trabalho.
17.4.7.1 A organização com até 10 (dez) empregados fica dispensada do atendimento ao item 17.4.7.
F: NR 17

URL FOTO
Licensor’s author: Spukkato – Freepik.com

Curso Ginástica Laboral: Consulte-nos

Conteúdo Programático

Curso Ginástica Laboral

Recomendações; Introdução;
Procedimento de avaliação;  
Determinação de posturas de trabalho;
Postura do tronco; Passo 1  Passo 2;
Postura da cabeça; Passo 1  Passo 2;
Postura da extremidade superior;
Postura do ombro e do braço;
Postura do antebraço e da mão;
Postura da extremidade inferior;
Determinação das posturas de trabalho;
Inclinação do tronco, inclinação da cabeça e flexão/extensão do pescoço;
Elevação do braço; Posições extremas das articulações;
Avaliação do período de tempo de sustentação/recuperação;
Avaliação dos períodos de tempo de sustentação/recuperação com base em dados de resistência;
Postura do tronco (rotação axial/flexão lateral do toráx versus pélvis);
Inclinação do tronco  Postura retificada da coluna lombar;
Tempo máximo aceitável de sustentação versus inclinação do tronco;
Postura do pescoço (rotação axial/flexão lateral da cabeça versus tórax);   
Inclinação de cabeça; Tempo máximo aceitável de sustentação versus inclinação da cabeça;
Postura de ombro e braço; Abdução do braço;  
Tempo máximo aceitável de sustentação versus abdução do braço;
Postura do antebraço e da mão; Postura dos membros inferiores;
Determinação da inclinação da cabeça e do tronco;
Determinação da elevação do braço;
Efeitos de três períodos de tempo de sustentação/tempo de recuperação sobre capacidade de resistência remanescente (REC);  
Postura do tronco; Tempo de sustentação para inclinação do tronco;
Postura da cabeça; Tempo de sustentação para inclinação da cabeça;
Postura do ombro e do braço; Tempo ativo para abdução do braço;
Postura do antebraço e da mão; Postura dos membros inferiores;
Indicações dos limites de amplitude do movimento das articulações;
Aplicação dos métodos de relaxamento dos profissionais;
Limites de aplicação segura de exercícios;
Atividade física leve e de baixo impacto;
Tempo de duração dos exercícios;
Conceitos de limites fisiológicos variáveis do corpo humano;
Aumento da qualidade de vida dos colaboradores;
Materiais e recursos didáticos; Condição fisiológica;
Frequência de aplicação dos exercícios;
Precisão técnica; Motivação através de atividades lúdicas;
Conceitos de relaxamento físico e mental;
Diminuir o stress e as doenças ocupacionais além de melhorar o clima organizacional;
Dinamismo nos exercícios; Procedimentos Ocupacionais;
Controle de Resultados e Gestão; Preparação para a jornada de trabalho;
Compensação de posturas estáticas e movimentos repetitivos;
Trabalho em alongamento, relaxamento, aquecimento, coordenação motora e equilíbrio.
Fonte:  NBR 11226

Complementos da Atividade – Conscientização da Importância:
APR (Análise Preliminar de Riscos);
PE (Plano de Emergência);
PGR (Plano de Gerenciamento de Riscos);
GRO (Gerenciamento de Riscos Ocupacionais);
Compreensão da necessidade da Equipe de Resgate – NBR 16710;
A Importância do conhecimento da tarefa;
Prevenção de acidentes e noções de primeiros socorros;
Proteção contra incêndios – NBR 14276;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Impacto e fatores comportamentais na segurança: Fator medo;
Como descobrir o jeito mais rápido e fácil para desenvolver Habilidades;
Como controlar a mente enquanto trabalha;
Como administrar e gerenciar o tempo de trabalho;
Porque equilibrar a energia durante a atividade a fim de obter produtividade;
Consequências da Habituação do Risco;
Causas de acidente de trabalho;
Noções sobre Árvore de Causas;
Entendimentos sobre Ergonomia, Análise de Posto de Trabalho e Riscos Ergonômicos.

Noções básicas de:
HAZCOM – Hazard Communication Standard (Padrão de Comunicação de Perigo);
HAZMAT – Hazardous Materials (Materiais Perigosos);
HAZWOPER – Hazardous Waste Operations and Emergency Response (Operações de Resíduos Operações Perigosas e Resposta a Emergências);
Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) – ISO 45001;
FMEA – Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha);
SFMEA – Service Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de serviços);
PFMEA – Process of Failure Mode and Effects Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Processos);
DFMEA – Design Failure Mode and Effect Analysis (Análise de modos e efeitos de falha de Design);
Análise de modos, efeitos e criticidade de falha (FMECA);
Ferramenta Bow Tie (Análise do Processo de Gerenciamento de Riscos);
Ferramenta de Análise de Acidentes – Método TRIPOD;
Padrão de Comunicação e Perigo (HCS (Hazard Communication Standard) – OSHA.

Exercícios Práticos:
Registro das Evidências;
Avaliação Teórica e Prática;
Certificado de Participação.

NOTA:
Ressaltamos que o Conteúdo Programático Geral do Curso ou Treinamento poderá ser alterado, atualizado, acrescentando ou excluindo itens conforme necessário pela nossa Equipe Multidisciplinar.
É facultado à nossa Equipe Multidisciplinar atualizar, adequar, alterar e/ou excluir itens, bem como a inserção ou exclusão de Normas, Leis, Decretos ou parâmetros técnicos que julgarem aplicáveis, estando relacionados ou não, ficando a Contratante responsável por efetuar os devidos atendimentos no que dispõem as Legislações pertinentes.