Siga-nos

Mantenha-se atualizado com as notícias mais importantes

Ao clicar no botão Inscrever-se, você confirma que leu e concorda com nossos Política de Privacidade e Termos de Uso
Área do Aluno
Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo
FONTE: FREEPIK AUT

Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo

Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo
Nome Técnico: Curso Capacitação NR-10 Como Instalar Disjuntor a Vácuo

Referência: 50651

Ministramos Cursos e Treinamentos; Realizamos Traduções e Versões em Idioma Técnico: Português, Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Mandarim, Alemão, Russo, Sueco, Holandês, Hindi, Japonês e outros consultar

Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo
O Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo tem por objetivo capacitar o profissional responsável pela montagem e instalação de Disjuntor a Vácuo a realizar esta atividade de forma segura, prezando pela própria segurança e de todos os envolvidos, evitando falhas e futuros problemas.

O que é Disjuntor a Vácuo?
Equipamento desenvolvido para proteção de circuitos elétricos, trabalhando normalmente com tensão muito superior a convencional (unidade kV). Possui estrutura robusta e a interrupção da corrente elétrica é feita dentro de uma estrutura cerâmica conhecida como ampola a vácuo.

Carga horária: Pré-Requisitos: Alfabetização OU Nível Técnico

Conteudo Programatico Normativo

Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo

Segurança nas instalações elétricas;
Equipamentos de proteção para manuseio de sistemas elétricos;
EPIs e EPCs;
Interpretação das Normas Regulamentadoras aplicáveis;
Características técnicas do equipamento;
Conscientização da Importância do Manual de Instrução de Operação do Equipamento;
Corrente nominal;
Tensão nominal;
Capacidade de interrupção;
Capacidade de interrupção em curto-circuito;
Máxima corrente capacitiva;
Nível básico de interrupção (NBI);
Corrente de fechamento;
Corrente de curta duração;
Tensão de ensaio;
Tensão de ensaio à frequência industrial;
Abertura e fechamento;
Arco;
Carregamento das molas;
Ciclos de operação;
Conjunto motorizado;
Comando;
Prevenção de acidentes;
Exercícios práticos;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Consequências da Habituação do risco;
A importância do conhecimento da tarefa;
Avaliação Teórica e Prática;
Registro de Evidências;
Certificado de Participação.

Referências Normativas quando for o caso aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações:
NR-10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade;
NR-06 – Equipamento de Proteção Individual – EPI;
ABNT NBR IEC 60898 – Dispositivos elétricos – Disjuntores para a proteção contra as sobrecorrentes para instalações domésticas e análogas;
ABNT NBR IEC 60947 – Dispositivo de manobra e comando de baixa tensão;
ABNT NBR NM 60898 – Disjuntores para proteção de sobrecorrentes para instalações domésticas e similares;
Protocolo 2015 Guidelines American Heart Association;
Protocolo 2017 – Atualizações Específicas nas Diretrizes 2017 American Heart Association p/ Suporte Básico de Vida em Pediatria/Adultos e Qualidade de Ressuscitação Cardiopulmonar.
Portaria GM N.2048 – Política Nacional de Atenção as Urgências;
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso.

Atenção:
EAD Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial

Base Legal – Norma Técnica 54 Ministério do Trabalho
RESPONSABILIDADES – Como a capacitação em SST é obrigação trabalhista a ser fornecida pelo empregador a seus trabalhadores em razão dos riscos oriundos da atividade explorada, é de inteira responsabilidade do empregador garantir sua efetiva implementação, sujeitando-se às sanções administrativas cabíveis em caso de uma capacitação não efetiva ou ainda pela capacitação de má qualidade que não atenda aos requisitos da legislação. É indispensável observar que, ainda que se opte pela realização de capacitação em SST por meio de EaD ou semipresencial, é salutar que toda capacitação seja adaptada à realidade de cada estabelecimento. É que o trabalhador está sendo capacitado pelo empregador para atuar em determinado espaço, logo, uma capacitação genérica não irá atender às peculiaridades de toda e qualquer atividade econômica. Veja na íntegra Nota Técnica 54 do Ministério do Trabalho MT Clique Aqui

Referencias Normativas

Referências Normativas (Fontes) aos dispositivos aplicáveis, suas atualizações e substituições até a presente data:
NR 07 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO;
NR 09 – Avaliação e Controle das Exposições Ocupacionais a Agentes Físicos, Químicos e Biológicos;
ABNT NBR 5426 – Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos;
ABNT NBR 10719 – Informação e documentação – Relatório técnico e/ou científico – Apresentação;
ABNT NBR 16746 – Segurança de máquinas – Manual de Instruções – Princípios gerais de elaboração;
NBR ISO 13850 – Segurança de Máquinas – Função de parada de emergência – Princípios para projeto;
ABNT ISO/TR 14121-2 – Segurança de máquinas – Apreciação de riscos;
ABNT NBR 14277 – Instalações e equipamentos para treinamento de combate a incêndio – Requisitos;
NBRISO/IEC27557 – Segurança da Informação, segurança cibernética e proteção da privacidade;
ABNT NBR ISO 31000 – Gestão de riscos de privacidade organizacional;
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso;
Target Normas;
Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT;
Outras Normas Técnicas Aplicáveis.
Nota: Este Serviço atende exclusivamente as exigências da MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) quando se tratar de atendimento a outros Órgãos, informe no ato da solicitação.

Carga horária e Atualização

Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo

Segurança nas instalações elétricas;
Equipamentos de proteção para manuseio de sistemas elétricos;
EPIs e EPCs;
Interpretação das Normas Regulamentadoras aplicáveis;
Características técnicas do equipamento;
Conscientização da Importância do Manual de Instrução de Operação do Equipamento;
Corrente nominal;
Tensão nominal;
Capacidade de interrupção;
Capacidade de interrupção em curto-circuito;
Máxima corrente capacitiva;
Nível básico de interrupção (NBI);
Corrente de fechamento;
Corrente de curta duração;
Tensão de ensaio;
Tensão de ensaio à frequência industrial;
Abertura e fechamento;
Arco;
Carregamento das molas;
Ciclos de operação;
Conjunto motorizado;
Comando;
Prevenção de acidentes;
Exercícios práticos;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Consequências da Habituação do risco;
A importância do conhecimento da tarefa;
Avaliação Teórica e Prática;
Registro de Evidências;
Certificado de Participação.

Referências Normativas quando for o caso aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações:
NR-10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade;
NR-06 – Equipamento de Proteção Individual – EPI;
ABNT NBR IEC 60898 – Dispositivos elétricos – Disjuntores para a proteção contra as sobrecorrentes para instalações domésticas e análogas;
ABNT NBR IEC 60947 – Dispositivo de manobra e comando de baixa tensão;
ABNT NBR NM 60898 – Disjuntores para proteção de sobrecorrentes para instalações domésticas e similares;
Protocolo 2015 Guidelines American Heart Association;
Protocolo 2017 – Atualizações Específicas nas Diretrizes 2017 American Heart Association p/ Suporte Básico de Vida em Pediatria/Adultos e Qualidade de Ressuscitação Cardiopulmonar.
Portaria GM N.2048 – Política Nacional de Atenção as Urgências;
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso.

Atenção:
EAD Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial

Base Legal – Norma Técnica 54 Ministério do Trabalho
RESPONSABILIDADES – Como a capacitação em SST é obrigação trabalhista a ser fornecida pelo empregador a seus trabalhadores em razão dos riscos oriundos da atividade explorada, é de inteira responsabilidade do empregador garantir sua efetiva implementação, sujeitando-se às sanções administrativas cabíveis em caso de uma capacitação não efetiva ou ainda pela capacitação de má qualidade que não atenda aos requisitos da legislação. É indispensável observar que, ainda que se opte pela realização de capacitação em SST por meio de EaD ou semipresencial, é salutar que toda capacitação seja adaptada à realidade de cada estabelecimento. É que o trabalhador está sendo capacitado pelo empregador para atuar em determinado espaço, logo, uma capacitação genérica não irá atender às peculiaridades de toda e qualquer atividade econômica. Veja na íntegra Nota Técnica 54 do Ministério do Trabalho MT Clique Aqui

Complementos

Cabe a Contratante fornecer quando for o caso:
Fornecer os meios, Projetos arquitetônicos em Arquivo DWG ou PDF;
Projeto Arquitetônico da Empresa que efetuará ou efetuou a instalação e contato com os mesmos.
Lista de todos os equipamentos elétricos e eletrônicos contidos nas áreas com marca, potência modelo, tipo e temperatura;
Se tiver inflamáveis e/ou combustíveis armazenados com mais 200 litros no total torna-se obrigatório fazer o Prontuário da NR-20.
Demais documentos e procedimentos necessários previstos antes ou depois da  Inspeção técnica.

NÃO estão inclusos no Escopo do Serviço:
1. Elaboração de Projeto de Arquitetônico;*
2. Elaboração de Projeto de Instalação;*
3. Elaboração do Memorial de Cálculo*
4. Elaboração de Memorial de Cálculo de Suporte;*
5. Elaboração de Manual de Instrução Técnica Operacional e de Manutenção;*
* (Consultar valor)

O que são Células de Carga?
As células de carga são medidores de deformação ou flexão de um corpo, transformando grandeza física, ou seja, uma força, em um sinal elétrico. Utilizadas na análise experimental de esforços e na medição elétrica da resistência à tensão, essas células são empregadas na maioria das aplicações industriais.

Cabe a Contratante fornecer :
Procedimentos da Inspeção quando for o caso e se envolver Estruturas:
Importante: Serão realizados Teste de Solda e Sistema de Líquido Penetrante no equipamento e nas peças que contenham pontos de solda;
01- Os pontos que contém solda no decorrer da peça (Inclusive quando tiver braço articulado e apoio de cesto acoplado) deverão estar devidamente decapados, sem nenhum tipo de resíduos tais como tintas, vernizes, colas ou qualquer tipo de sujidades ou resíduos de óleo, graxa etc;
02- Passar STRIPTIZI GEL em todas as bases do Equipamento e peças de apoio, limpar bem e passar pano (não deixar nenhuma sujidade);
03- Se tiver Lanças automáticas ou lança manual, lixar solda da frente;
04- Se Contratado Execução de TESTE DE CARGA cabe a Contratante disponibilizar CÉLULAS DE CARGA ou compartimento para teste de carga (tipo big bag, cintas novas calibradas INMETRO, balança, tarugos de metal calibrado ou sacos de areia pesados equivalente até 125% que o equipamento suporta e fornecer Declaração de Responsabilidade  referente a Capacidade do Equipamento.
Se Contratado ENSAIOS ELÉTRICOS em Cesto acoplado de preferência com Placa de Identificação, o mesmo  deverá estar no nível do solo juntamente com Laudo de Fabricação de aparelhos que tiver para sabermos quantos Volts suporta.

Documentos necessários para Equipamentos de Içamento
a) Arts do Pórtico com os últimos 3 laudos, incluindo a ART com Memorial de Cálculo do Projeto Inicial do Pórtico;
b) Memoriais de Cálculo de Dimensionamento da Talha atual X pórtico com ART;
c) Memoriais de cálculo de carga do moitão da talha e dos cabos de aço com ART;
d) ART da Montagem da Talha com Memorial de Cálculo Estrutural;
e) Todas as soldas constantes no pórtico deverão estar sem tintas ou resíduos e também não deverão estar lixadas, bem como o moitão e o gancho da talha;
f) O setor deve ficar interditado até segunda ordem para os testes;
g) Deverá ter uma carga disponível com uma balança calibrada e com Laudo da capacidade e uma carga com 175%.
h) O Eng de segurança do trabalho em conjunto com o SESMT deverão emitir uma declaração de responsabilidade quanto ao teste de carga em caso de rompimento ou acidente com um de nossos colaboradores;
i) Todos os Sistemas Elétricos deverão estar desativados com sistema Power Lockout;
Serão utilizados os sistemas de líquido penetrante e líquido revelador nas soldas o que poderá intoxicar quaisquer alimentos presentes.
j) O Teste de Carga será realizado conforme norma da ABNT desde que autorizado e declarado pelos responsáveis a inteira responsabilidade por quaisquer questões que ocorram com nossos colaboradores durante o teste. Sendo este executado em 1 hora com carga a 100% da carga talha e mais uma hora com 125% da carga talha.
l) Observe-se que, se não houverem as documentações solicitadas, que a empresa declare que não há via e-mail.

Plano de Inspeção e Manutenção do Equipamento é obrigatório conforme previsto na NR 12.

A justificativa da relação Preço e Valor:
A precificação de qualquer serviço exige expertise relacionada ao mundo dos negócios e o conceito de Valor é qualitativo, diretamente ligado ao potencial de transformação existente naquele conteúdo. O serviço tem mais valor quando tem conhecimento e segredos profissionais agregados e o preço é uma variável consequente do valor, cujo objetivo é transmiti-lo em números. Assim, quanto maior for o valor agregado ao conteúdo, maior será o seu preço justo. Portanto, não autorizamos a utilização de nossas Propostas como contraprova de fechamento com terceiros de menor preço, ou de interesse secundário, Qualidade, Segurança, Eficiência e Excelência, em todos os sentidos, são os nossos valores.

Saiba Mais

Saiba Mais: Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo:

CAMARA DE VÁCUO
A extinção do arco entre os contatos fixo e móvel nos disjuntores a vácuo é realizada no interior das câmaras de vácuo. É constituída por um invólucro cerâmico que abriga os contatos fixo e móvel (contato principal e contato corta arco ao mesmo tempo). O vácuo interno é garantido pela presença de um fole que permite o movimento do contato móvel, sendo que o deslocamento (curso) deste contato é bem modesto, da ordem de: 8 – 12 mm, para tensões de até 17,5 kV, e 13 – 18mm para tensão de 24 kV e 16 a 18mm para tensão de 36kV. As câmaras de vácuo da classe de 24 e 36kV recebem uma membrana isolante envolvente, para que assim possam elevar o nível básico de impulso (NBI) para sua respectiva categoria. A tecnologia aplicada à fabricação destas câmaras foi, ao passar do tempo, fortemente aprimorada, de forma que são obtidos disjuntores que apresentam prerrogativas excepcionais, como:
Interrupção do arco após tempos de arco muito breves;
Desgastes dos contatos muito limitados, o que permite uma vida elétrica longa, eliminando a necessidade de manutenção constante, sendo suficiente verificações periódicas bem intervaladas;
Nenhuma manifestação externa, eliminando ao mesmo tempo a exalação de gases e o perigo iminente de incêndio e de possíveis explosões;
VIDA MECÂNICA
Os disjuntores a vácuo possuem o mesmo comando de molas pré-carregadas, que são utilizados nos disjuntores a volume reduzido de óleo, e, portanto, com a mesma eficiência comprovada.
É recomendável proceder um controle geral, seja a cada cinco anos ou quando o equipamento atingir 10.000 manobras, ou, ainda, o que ocorrer primeiro, providenciando-se limpeza geral e lubrificação (sugerimos acionar nossa assistência técnica autorizada).
Após 30.000 manobras mecânicas, deverá ser providenciada a substituição das câmaras de vácuo e revisão geral com verificação das partes mais sujeitas a desgastes, vide manual de instrução de instalação, entrada em operação e manutenção de disjuntores de média tensão do tipo maf, que integra o fornecimento do disjuntor.
VIDA ELÉTRICA
A vida elétrica dos disjuntores depende do desgaste verificado nos contatos fixo e Móvel localizados no interior da câmara de vácuo. A princípio, a câmara de vácuo deve ser substituída quando o desgaste, medido pelo indicador de desgaste do contato existente em cada polo atinge 3mm. O número possível de manobras sob-carga, em função da corrente interrompida.

Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo: Consulte-nos.

Conteúdo Programático

Curso Como Instalar Disjuntor a Vácuo

Segurança nas instalações elétricas;
Equipamentos de proteção para manuseio de sistemas elétricos;
EPIs e EPCs;
Interpretação das Normas Regulamentadoras aplicáveis;
Características técnicas do equipamento;
Conscientização da Importância do Manual de Instrução de Operação do Equipamento;
Corrente nominal;
Tensão nominal;
Capacidade de interrupção;
Capacidade de interrupção em curto-circuito;
Máxima corrente capacitiva;
Nível básico de interrupção (NBI);
Corrente de fechamento;
Corrente de curta duração;
Tensão de ensaio;
Tensão de ensaio à frequência industrial;
Abertura e fechamento;
Arco;
Carregamento das molas;
Ciclos de operação;
Conjunto motorizado;
Comando;
Prevenção de acidentes;
Exercícios práticos;
Percepção dos riscos e fatores que afetam as percepções das pessoas;
Consequências da Habituação do risco;
A importância do conhecimento da tarefa;
Avaliação Teórica e Prática;
Registro de Evidências;
Certificado de Participação.

Referências Normativas quando for o caso aos dispositivos aplicáveis e suas atualizações:
NR-10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade;
NR-06 – Equipamento de Proteção Individual – EPI;
ABNT NBR IEC 60898 – Dispositivos elétricos – Disjuntores para a proteção contra as sobrecorrentes para instalações domésticas e análogas;
ABNT NBR IEC 60947 – Dispositivo de manobra e comando de baixa tensão;
ABNT NBR NM 60898 – Disjuntores para proteção de sobrecorrentes para instalações domésticas e similares;
Protocolo 2015 Guidelines American Heart Association;
Protocolo 2017 – Atualizações Específicas nas Diretrizes 2017 American Heart Association p/ Suporte Básico de Vida em Pediatria/Adultos e Qualidade de Ressuscitação Cardiopulmonar.
Portaria GM N.2048 – Política Nacional de Atenção as Urgências;
ISO 45001 – Sistemas de gestão de saúde e segurança ocupacional – Requisitos com orientação para uso.

Atenção:
EAD Ensino a Distância, Presencial e Semipresencial

Base Legal – Norma Técnica 54 Ministério do Trabalho
RESPONSABILIDADES – Como a capacitação em SST é obrigação trabalhista a ser fornecida pelo empregador a seus trabalhadores em razão dos riscos oriundos da atividade explorada, é de inteira responsabilidade do empregador garantir sua efetiva implementação, sujeitando-se às sanções administrativas cabíveis em caso de uma capacitação não efetiva ou ainda pela capacitação de má qualidade que não atenda aos requisitos da legislação. É indispensável observar que, ainda que se opte pela realização de capacitação em SST por meio de EaD ou semipresencial, é salutar que toda capacitação seja adaptada à realidade de cada estabelecimento. É que o trabalhador está sendo capacitado pelo empregador para atuar em determinado espaço, logo, uma capacitação genérica não irá atender às peculiaridades de toda e qualquer atividade econômica. Veja na íntegra Nota Técnica 54 do Ministério do Trabalho MT Clique Aqui